A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Maria Amélia Sabbag Zainko.

Resumo


Analisar os desafios a que estão submetidas as universidades contemporâneas, em especial as dos países em desenvolvimento, implica ter presente a sua difícil e contraditória missão que é a de participar do processo de desenvolvimento econômico e social. A questão da identidade institucional que vem sendo tão decantada na atualidade, constitui-se em conceito complexo, muito pouco desenvolvido e muito pouco compreendido no âmbito da ciência social contemporânea. A construção da identidade dessa nova Universidade deve necessariamente ter na avaliação seu instrumento mais fundamental da mudança que se faz necessária. Se destaca o papel da Avaliação Institucional na construção de caminhos alternativos para a transformação da Educação Superior, tornando evidente o seu compromisso contemporâneo com um desenvolvimento social, ou seja em prol de uma sociedade mais justa, mais solidária, mais harmônica, mais democrática e menos excludente. Isto implica em conceber a avaliação como democrática, participativa, contextualizada no âmbito dos anseios, expectativas e preocupações dos atores institucionais e das demandas da sociedade como um todo. Implica ainda, ter em conta as novas configurações da educação superior, bem como o importante papel da avaliação nas transformações sociais e econômicas que os Estados vêm promovendo, sob a égide do neoliberalismo, do neoconservadorismo e da globalização.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, Hugo. Reencantar a educação. Rio de Janeiro,RJ: Vozes, 1998. CHAUÍ, M., Escritos sobre universidade, SãoPaulo,SP: Editora UNESP, 2001

CHOMSKY, N., Democracia e mercados na nova ordem mundial. In: P. Gentili (Org.). Globalização excludente. Petrópolis: Vozes, 2001

DEMO, Pedro. A pesquisa como princípio educativo. São Paulo,SP: Cortez,1995

DESAULNIERS, Julieta B.R. (Org.). Fenômeno: uma teia complexa de relações. PA: EDIPUCRS, 2000.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação institucional: marcos teóricos e políticos. Avaliação, Campinas, v.1, jul, 1996.

_____ . Avaliação da educação superior. Petrópolis: Vozes, 2000

DIAS SOBRINHO, J.; RISTOFF, D.I. Avaliação democrática: para uma universidade cidadã, Florianópolis: Editora Insular, 2002

_____ . Quase-mercado, quase-educação, quase-qualidade: tendências e tensões na Educação Superior. Avaliação, Campinas, v. 7, n.1, mar. 2002 ELIAS, Marisa Del C. e Feldmann, Marina G. In: FAZENDA, Ivani. Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez, 1999.FAZENDA, Ivani C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Campinas SP: Papirus, 1994.

GOERGEN, P. A avaliação universitária na perspectiva da pós-modernidade. Avaliação, v.2, n. 3, p. 5, set. 1997.

_____ . Ciência e mercado: o papel formador da universidade. Proposições,v. 8, n. 2, p. 23, mar. 1999.

_____ . Universidade e globalização: entre a adesão e o dissenso. Curitiba: Champagnat: Insular, (no prelo).

LÉVY, Pierre. O fogo liberador. São Paulo,SP:Iluminuras, 2000.

LUCARELLI, Elisa. UM desafio institucional: inovação e formação pedagógica do docente universitário, in Castanho,Sérgio e Castanho Maria Eugênia(orgs). O que há de novo no ensino superior. Campinas, SP: Papirus,2000

MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco M & SILVA, Juremir Machado da (orgs). Para navegar no século XXI – tecnologias do imaginário e cibercultura. PA: EDIPUCRS e Sulina, 1999.

___________. Ciência com consciência. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 1996.

MORIN, E , MOIGNE, Jean-Louis. A inteligência da complexidade. São Paulo : Fund. Peirópolis, 2000.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma / reformar o pensamento.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

_______. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

NÓVOA, Antônio. Para uma análise das instituições escolares. In: As organizações escolares em análise. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

NÚÑEZ, Iván. Las Organizaciones de los Docentes en las Políticas y Problemas de la Educación Estado del Arte, Santiago de Chile, UNESCO-REDUC, 1990.

OTTONE, Ernesto. Educação Brasileira. Brasília: CRUB, volume 14, nº 28, janeiro/ julho 1992.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas - tempo, caos e leis da natureza. SP: Editora INESP, 1996.

REIMERS, Eleonora y Fernando “Where are 60 millions teachers?The missing voice in educational reforms around the world” en PROSPECTS, vol. XXVI, Nº 3, sept. 1996

RISTOFF, Dilvo. Princípios do programa de avaliação institucional. Revista Avaliação, Campinas, SP, ano 1 , n. 1, jul., 1996.

______________,Definições de avaliação Revista Avaliação, Campinas, SP, ano 8 , n. 2, jun., 2003.

SANTOS, B.de S., (Org.), A globalização e as ciências sociais, S.Paulo: Cortez Editora, 2002

SEVERINO, A. J. Fundamentos políticos da avaliação na Pós Graduação. In: EDUFORUM. Por um modelo alternativo de avaliação da Pós Graduação Nacional. 2002, 10 p. (mimeo).

VIRILIO, Paul. O resto do tempo. In Revista Famecos - mídia, cultura e tecnologia. PA: EDIPUCRS, junho 1999

YARZÁBAL, L.; Vila, A. y Ruiz, R. Evaluar para transformar. Ed. IESALC/ UNESCO, Caracas (1999).

YARZABAL, L.Consenso para mudança na Educação Superior. Curitiba: Champagnat, 2002

ZAINKO, Maria Amélia Sabbag. A Universidade do Século XXI e a formação dos professores. Apresentado no seminário a formação do professor para o século XXI, Goiânia, 1995, mimeo.

____________,et all. A avaliação institucional na UFPR: a trajetória de uma década 1987-1997. Curitiba, UFPR, 1998

__________, Planejamento, Universidade e Modernidade. Curitiba, All Graf/ AUGM Editora, 1998

_________, Dos saberes às competências: o desafio da construção da proposta pedagógica da escola. Revista Avaliação, ano 6, vol.6- nº 4 (22)- dez 2001. Campinas.: Unicamp, 2001.

_________ Educação superior, democracia e desenvolvimento humano sustentável. Curitiba: Champagnat/ INSULAR, 2003.

_________, Seminário Internacional Avaliação Institucional da Educação Superior e reformas do Estado: o desafio da Avaliação das IES. Revista Avaliação, ano 8, vol.8- n.º 2 jun. 2003. Campinas.: Unicamp, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v4i11.6848

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat