A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE CONTAM AS CRIANÇAS?

Rita de Cássia Martins, Marynelma Camargo Garanhani

Resumo


O artigo apresenta uma pesquisa que teve por objetivo compreender os significados e os sentidos que as crianças de um Centro Municipal de Educação Infantil de Curitiba atribuem aos espaços da instituição educativa que frequentam. Para tanto, os referenciais teóricos e metodológicos utilizados foram: Forneiro (1998), Horn (2004), Carvalhoe Rubiano (2007), Faria (2007) e Santos (2008), sobre o espaço e o espaço na instituiçãode educação infantil; documentos que orientam sobre a organização dos espaços nos Centros Municipais de Educação Infantil; Demartini (2002), Cerisara (2004), Gobbi (2002,2009), sobre pesquisas com crianças; Lessard-Hébert, Goyett e e Boutin (1990), sobre a pesquisa qualitativa. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram observação participante, entrevista semiestruturada, desenhos comentados e visita monitorada. Na análise dos dados, utilizou-se como encaminhamento teórico-metodológico a constituição de núcleos de significação, inspirada na metodologia proposta por Aguiar e Ozella (2006) e empregada por Moro (2009). Apoiada nos estudos de Vygotsky (1991, 2001a, 2001b) sobre a linguagem e o pensamento, esta pesquisa concluiu que os significados e os sentidos que as crianças atribuíram aos espaços foram construídos e reelaborados por elas à medida que falavam sobre eles. A análise dos núcleos de significação levou a pensar que a ludicidade, a afetividade, o reconhecimento das regras de convivência social, a curiosidade e a imaginação podem ser considerados elementos constitutivos da infância, por meio dos quais as crianças atribuem significados e sentidos ao espaço institucional que frequentam.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Núcleos de signifi cação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia: Ciência e Profi ssão , v. 26, n. 2, p. 222-245, 2006.

CARVALHO, M. C. de; RUBIANO, M. R. B. Organização do espaço em instituições pré-escolares. In: OLIVEIRA, Z. de M. R. (Org.). Educação infantil : muitos olhares. São Paulo: Cortez, 2007. p. 107-130.

CERISARA, A. B. Em busca do ponto de vista das crianças nas pesquisas educacionais: primeiras aproximações. In: SARMENTO, M. J.; CERISARA, A. B. Crianças e miúdos : perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Lisboa: Asa, 2004. p. 35-54.

DEMARTINI, Z. de B. F. Infância, pesquisa e relatos orais. In: FARIA, A. et al. (Org.). Por uma cultura da infância : metodologia de pesquisa com crianças. Campinas, SP: Autores Associados, 2002. p. 1-17.

FARIA, A. L. G. O espaço físico como um dos elementos fundamentais para uma pedagogia da educação infantil. In: FARIA, A. L. G.; PALHARES, M. S. (Org.). Educação infantil pós-LDB : rumos e desafi os. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. p. 67-97.

FERREIRA, M. M. M. “Branco demasiado” ou... refl exões epistemológicas, metodológicas e éticas acerca da pesquisa com crianças. In: SARMENTO, M. J.;

GOUVEA, M. C. S. (Org.). Estudos da infância : educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 143-162.

FINCO, D. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pro-Posições , v. 14, n. 3, 2003. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2010.

FINCO, D. Socialização de gênero na educação infantil . 2008. Disponível em:. Acesso em: 4 maio 2010.

FONI, A. A inserção na creche. In: BONDIOLI, A.; MANTOVANNI, S. Manual de educação infantil : de 0 a 3 anos – uma abordagem refl exiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. p. 143-156.

FORNEIRO, L. I. A organização dos espaços na educação infantil. In: ZABALZA, M. A. Qualidade em educação infantil . Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 229-282.

GOBBI, M. Desenho infantil e oralidade: instrumentos para pesquisa com crianças pequenas. In: FARIA, A. L. G.; DEMARTINI, Z. B. F.; PRADO, P. D. (Org.). Por uma cultura da infância : metodologia de pesquisa com crianças. Campinas, SP: Autores Associados, 2002. p. 69-92.

GOBBI, M. O fascínio indiscreto: crianças pequenininhas e a criação de desenhos. In: FARIA, A. L. G. de; MELLO, S. A. (Org.). Territórios da infância : linguagens, tempos e relações para uma pedagogia para as crianças pequenas. 2. ed. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2009. p. 119-136.

HORN, M. da G. S. Sabores, cores, sons e aromas : a organização dos espaços na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

HORN, M. da G. S. O papel do espaço na formação e na transformação do educador infantil. Revista Criança , Brasília, n. 38, p. 29-32, 2005.

LESSARD-HÉBERT, M.; GOYETTE, G.; BOUTIN, G. Investigação qualitativa : fundamentos e práticas. Tradução de Maria João Reis. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

MARTINS, R. de C. A organização do espaço na educação infantil : o que contam as crianças? 2010. 165 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

MORO, C. de S. Ensino fundamental de 9 anos : o que dizem as professoras do 1º ano. 2009. 315 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

SANTOS, M. A natureza do espaço : técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2008.

SILVA, S. M. C. da. A constituição social do desenho da criança . Campinas, SP: Mercado de Letras, 2002.

VYGOTSKY, L. S. As raízes genéticas do pensamento e da linguagem. In:

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem . São Paulo: Martins Fontes, 2001a. p. 111-150.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e palavra. In: VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem . São Paulo: Martins Fontes, 2001b. p. 395-489.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente . São Paulo: Martins Fontes, 1991




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v11i32.4621

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat