AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E EXCLUSÃO SOCIAL

Neuza Bertoni Pinto, Cláudia Mara Soares da Silva

Resumo


A exclusão, outrora tratada como categoria dos processos sociais, é analisada nesse artigo como categoria do processo pedagógico desenvolvido na escola. A forma de avaliar a aprendizagem dos alunos pode se constituir em um mecanismo excludente mesmo nas propostas mais inovadoras das políticas educacionais voltadas para a democratização do acesso e permanência dos alunos na escola. Com o objetivo de discutir as relações entre avaliação da aprendizagem e exclusão escolar, o presente estudo analisa as características de uma avaliação da aprendizagem comprometida com a qualidade do ensino e com a inclusão cidadã do aluno da educação básica, apontando a dimensão formativa da avaliação como fator fundamental na efetivação da aprendizagem necessária ao sucesso da escolarização dos alunos social e culturalmente marginalizados.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLAL, L. Stratégies d’évaluation formative: conceptions psycho-pédagogiques et modalités d’application . In: ALLAL, L; CARDINET, J; PERRENOUD, PH.L’evaluation formative dans un enseignement différencié. 7. ed. Suisse: Peter Lang, 1995. p. 153-183.

BARRIGA, A.D. Uma polêmica em relação ao exame. In: STEBAN, M.T. ( Org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro,RJ: DP&A,1999. p. 51-82.

CARDINET, J. Avaliar é Medir ? . Portugal: Asa, 1993.

DÉPELTEAU, F. La démarche d’une recherche en sciences humaines: de

la question de départ á la communication des résultats. Canada: Les Presses de l’Université Laval, 1998.

DUBET, F. A escola e a exclusão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119,p. 29-45, jul. 2003

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 9 ed. Petrópolis: Vozes,1991.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro,RJ: Guanabara

Koogan, 1989.

GLÓRIA, D.M.A. A “escola dos que passam sem saber”: a prática da nãoretenção escolar na narrativa de alunos e familiares. Revista Brasileira de Educação. Campinas, n.22, p. 61- 76, jan./abr. 2003,

HADJI, C. Avaliação demistificada. Porto Alegre: ArtMed, 2001.

MEIRIEU, Ph. Aprender...Sim, mas como? 7.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

PERRENOUD, Ph. Não mexam na minha avaliação! Para uma abordagem

sistêmica da Mudança pedagógica. In: ESTRELA, A; NÓVOA, A . (Orgs.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto, 1993. p. 171-191.

PERRENOUD, Ph. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

PINTO, N. B. O erro como estratégia didática: estudo do erro no ensino da matemática elementar. Campinas: Papirus, 2000.

PINTO, N. B. Contrato didático ou contrato pedagógico? Revista Diálogo

Educacional,Curitiba, v.4, n.10, p. 93- 106, set./dez. 2003.

POZO, J.Y. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2002.

STEBAN, M.T. A avaliação no cotidiano escolar. In: STEBAN, M.T. (Org.).

Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro,RJ: DP&A, 1999. p. 7-28.

STEBAN, M.T. O que sabe quem erra? Reflexões sobre a avaliação e fracasso escolar. Rio de Janeiro,RJ: DP&A, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v6i19.3145

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat