Alegação para uma epistemologia de segunda ordem na formação de professores

Orlando Fernández Aquino, Alberto Matías González

Resumo


No presente ensaio apresenta-se uma discussão sobre alguns dos problemas e fragilidades que, a juízo dos autores, apresenta hoje a área de formação de professores. O texto foi elaborado a partir de uma pesquisa de terceiro grau; ou seja, por meio da revisão de estudos nacionais e internacionais que por sua vez tinham mapeado a situação da área. Ao mesmo tempo, o estado atual da área de formação docente julga-se desde uma epistemologia de segunda ordem, para tratar de visualizar quais seriam as limitações dos enfoques filosóficos da ciência moderna que permeiam esse campo, e como supera-los pela via do salto epistemológico. Chega-se à conclusão que uma das maneiras possíveis de superação das fragilidades identificadas seria avançar para um enfoque pluridisciplinar e interdisciplinar de tratamento dos objetos da pesquisa em formação de professores, junto a fundamentações teóricas de maior relevância e o passo a pesquisas teóricas e empíricas de maior consistência metodológica, o que permitiria a consolidação da área enquanto disciplina científica.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. et al. Estado da Arte da Formação de Professores no Brasil. Educação & Sociedade , Ano XX, n. 68, p. 301-309, 1999. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2015.

ANDRÉ, M. A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Formação Docente. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores. v. 1, n. 1, p. 1-12, 2009. Disponível em: . Acesso em 1 dez. 2015.

ANDRÉ, M. Formação de professores no Brasil (1990-1998) . Brasília: MEC/Inep/ Comped, 2002. (Série estado do conhecimento, 6).

ANDRÉ, M. Formação de professores: a constituição de um campo de estudos.

Educação & Sociedade , v. 33, n. 3, p. 174-181, 2010. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2015.

AQUINO, O. F.; BORGES, M. C. Políticas públicas, formação de professores e didática: resultados de uma triangulação. Inter-ação (UFG. Online), v. 39, p. 199- 214, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

BOLÍVAR, A. La identidad profesional del profesorado de secundaria : crisis y reconstrucción. Málaga, España: Ediciones Algibe, 2006.

BRZEZINSKI, I. Formação de profissionais da educação (1997-2002) . Brasília: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006. (Série estado do conhecimento, 10).

DALBEN, Â. I. L. F. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

GATTI, B. A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista brasileira de formação de professores — RBFP , v. 1, n. 1, 2009. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2015.

GATTI, B. A.; BARRETO, E.; ANDRÉ, M. Políticas docentes no Brasil: um estado da

arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GATTI, B. A. Implicações e perspectivas da pesquisa educacional no Brasil contemporâneo.

Cadernos de Pesquisa , n. 113, p. 65-81, jul. 2001. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2015.

GOUVEIA, A. J. A pesquisa educacional no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 1, p. 1-48, jul. 1971. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2015.

GOUVEIA, A. J. A pesquisa sobre educação no Brasil: desde 1970 para cá. Cadernos de Pesquisa, n. 19, p. 75-79, dez. 1976. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2015.

GOUVEIA, A. J. Algumas reflexões sobre a pesquisa educacional no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 86, n. 213-214, p. 143-146, dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2015.

LIBÂNEO, J. C. Panorama do ensino da Didática, das metodologias específicas e das disciplinas conexas nos cursos de Pedagogia: repercussões na qualidade da formação profissional. In: Andréa Maturano Longarezi; Roberto Valdés Puentes (orgs.) Panorama da Didática : ensino, prática e pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 2011. p. 11-50. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

MARCELO GARCIA, C. Formação de professores. Para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MARCELO GARCIA, C. Pesquisa sobre a formação de professores. O conhecimento sobre aprender a ensinar. Revista Brasileira de Educação , n. 9. p. 51-75, 1997. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2015.

MELLO, G. N. A pesquisa educacional no Brasil. Cadernos de Pesquisa , n. 46, p. 67–72, ago. 1983. Disponível em: . Acesso em: 3 jan.2015.

NICOLESCU, B. La transdisciplinariedad . Manifiesto. Trad. Norma Núñez-Dentin; Gérard Dentin. [s.l.]: Ediciones Du Rocher, 2006.

OLIVEIRA, Maria Rita. 20 Anos de ENDIPE. In: CANDAU, V. (Org.). Didática, currículo e saberes escolares. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. p. 161-176.

QUEIROZ, V. R. F. A formação de professores nas pesquisas nacionais e estrangeiras: tendências e desafios. Inter-Ação , v. 38, n. 1, 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2015.

RAMALHO, B. L; NÚÑEZ, I. B.; PRADA, L. E. A. A pesquisa sobre a formação de professores nos programas de pós-graduação em educação : o caso do ano 2000. p. 1–15, 2000. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2012.

ROMANOWSKI, J. P. Apontamentos em pesquisas sobre formação de professores: contribuições para o debate. Revista Diálogo Educacional , v. 12, n. 37, p. 905-924, 2012. Disponível em: < http://www2.pucpr.br/reol/index.php/dialogo?dd99=pdf&dd1=7210>. Acesso em: 2 fev. 2012.

ROMANOWSKI, J. P.; MARTINS, P. L. O. Reformulação dos cursos de licenciatura no Brasil. In: XVII ENDIPE- Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Fortaleza, CE, 2014. p. 1-15.

SOARES, Magda. 20 Anos de ENDIPE. In: CANDAU, Vera. (Org.). Didática, currículo e saberes escolares. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. p. 177-192.

SOTOLONGO CODINA, P. L.; DELGADO DÍAZ, Carlos Jesús. La revolución contemporânea del saber y la complejidad social : hacia unas ciencias sociales de nuevo tipo. 1a. ed. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales - CLACSO, 2006.

ZEICHNER, Kenneth M. Uma agenda de pesquisa para a formação docente. Revista brasileira de pesquisa sobre formação docente , v. 1, n. 1. p. 13-40, 2009. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.16.050.AO02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat