INDICADORES DE INTERATIVIDADE PARA O PROFESSOR PRESENCIAL E ON-LINE

Marco Silva

Resumo


A docência interativa presencial e on-line é demanda da cibercultura, isto é, do novo ambiente comunicacional que surge com a interconexão mundial de computadores em forte expansão no início do século 21; novo espaço de comunicação, de sociabilidade, de organização, de informação, de conhecimento e de educação. O professor acostumado ao primado da transmissão na educação e na mídia de massa tem agora o desafio de educar na cibercultura. Terá que desenvolver sua imaginação criadora para atender as novas demandas sociais de aprendizagem interativa. Interatividade é a modalidade comunicacional que ganha centralidade na “cibercultura”. Exprime a disponibilização consciente de um mais comunicacional expressamente complexo presente na mensagem e previsto pelo emissor, que abre ao receptor a possibilidade de responder ao sistema de expressão e de dialogar com ele. Grande salto qualitativo em relação ao modo de comunicação de massa que prevaleceu até o final do século XX, o modo de comunicação interativa ameaça a lógica unívoca da mídia de massa, oxalá como superação do constrangimento da recepção passiva. Este texto reúne diversas sugestões sistematizadas como “indicadores de interatividade” capazes de redimensionar a prática docente presencial e on-line. Com esses indicadores, o professor poderá rever sua autoria na construção da aprendizagem, transformando o ambiente de comunicação, tornando possível a transição de um modelo centrado na seqüência linear, que encadeia unidirecionalmente graus, idades e pacotes de conhecimento, a outro descentrado e plural, cuja chave é o encontro do texto e o hipertexto. Para tanto, o professor precisará se dar conta do movimento próprio das tecnologias digitais em sintonia com a cibercultura e com o perfil comunicacional dos aprendizes que aprenderam com o controle remoto e com a lógica unívoca da mídia de massa e agora aprendem com o mouse e com as “janelas” móveis que permitem mais do que meramente assistir.

Texto completo:

PDF

Referências


ALAVA, Serafin. Ciberespaço e formações abertas: rumo a novas práticas educacionais. Tradução de Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 6. ed . Rio de Janeiro,RJ: Paz e Terra, 1978.

_____. Pedagogia da esperança. Rio de Janeiro,RJ: Paz e Terra, 1992.

_____. Educação e mudança. Rio de Janeiro,RJ: Paz e Terra, 1979.

_____. A importância do ato de ler. São Paulo,SP: Autores Associados/ Cortez, 1982.

JOHNSON, Steven. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Tradução de Maria Luiza Borges. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2001.

KUMAR, Krishan. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro,RJ: Zahar, 1997.

LANDOW, George P. Hypertext: the convergence of contemporary critical theory and technology. Baltimore: Johns Hopkins, 1992.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo,SP: Editora, 34, 1999.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas & pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997. _____. Audiovisual. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 abr.1997.

_____. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas. São Paulo,SP: Edusp, 1993.

MARCHAND, Marie. Les paradis informationnels – du Minitel aux services de commmunication du futur. Paris: Masson, 1987.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Nuevos regímenes de visualidad y descentramientos culturales. Bogota (Colômbia), 1998. Cópia reprográfica.

PALLOFF, Rena M. ; PRATT, Keith. Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço: estratégias eficientes para salas de aula on-line. Tradução de Vinicius Figueira. Porto Alegre: Artimed, 2002.

PASSARELLI, Brasilina. Hipermídia e a educação: algumas perspectivas e experiências. Contexto e Educação, Ijuí, 34, p. 62-80, 1993.

_____. Hipermídia na aprendizagem: construção de um protótipo interativo: a escravidão no Brasil. Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, v. 22, n.113/ 114, p. 35-38, jul./out. 1993.

SFEZ, Lucien. Crítica da comunicação. Trad. Maria Stela Gonçalves et ali. São Paulo,SP: Loyola 1994.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro,RJ: Quartet, 2000.

_____. (Org.). Educação on-line. São Paulo,SP: Loyola: 2003.

_____. De Anísio Teixeira à Cibercultura: desafio para a formação de professores ontem, hoje e amanhã. In: Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v.29, n.3, p. 31-41, set./dez., 2003,.

SANTOS, Edméa Oliveira dos. Articulação de saberes na EAD on-line: por uma rede interdisciplinar e interativa de conhecimentos em ambientes virtuais de aprendizagem. In: M. SILVA (org). Educação on-line. São Paulo: Loyola, 2003. p. 217-230.

_____. O currículo em rede e o ciberespaço como desafio para a EAD. In: ALVES, Lynn; NOVA, Cristiane (orgs). Educação a distância. Uma nova concepção de aprendizado e interatividade. São Paulo,SP: Futura, 2003. p, 136-148.

TAPSCOTT, Don. Geração digital: a crescente e irredutível ascensão da geração net. Trad. Ruth Bahr. São Paulo: MAKRON Books, 1999.

TEIXEIRA, Anísio. Mestres de amanhã . Disponível em http://www.prossiga.br/ anisioteixeira/artigos/mestres.html Acesso em: 20 fev. 2003




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v4i12.6956

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat