Formação de professores: as diretrizes nacionais e o poder local

Maria Eliza Nogueira Oliveira, Graziela Zambão Abdian

Resumo


Resultante de uma pesquisa fundada em estudos de Lima (2008), este artigo se propõe a investigar o processo de reestruturação do curso de Pedagogia oferecido por uma universidade pública estadual, desde a vigência das novas Diretrizes Curriculares Nacionais, instituídas em maio de 2006. Um dos objetivos da análise pretende identificar não apenas as principais dificuldades, mas também as possíveis aberturas para que se efetivassem as mudanças, atendendo aos interesses externos e internos da instituição. Para atingir essas metas, utilizou-se de instrumental concreto: documentos referentes ao curso de Pedagogia mantidos no Conselho de Curso da universidade e entrevistas com os sujeitos diretamente envolvidos no processo de reestruturação. Por se tratar de universidade pública, pressupunha-se a prevalência de gestão ancorada em princípios democráticos, em que as divergências de opiniões e os conflitos não se revelassem como desvios, senão como oportunidade de diálogo e de instauração de projetos coletivos. O resultado da análise surpreendeu revelando o oposto: o processo se deixou gerir por um modelo racional/burocrático de administração, cujos objetivos visavam adequar a instituição às normas externas e estabelecer o consenso — aqui entendido como inexistência absoluta de conflitos. Não obstante, optou-se por conciliar o curso às diretrizes, sem que houvesse dano aos interesses departamentais. Todas essas são razões por que o presente artigo suscita novos e relevantes debates no momento de (re)pensar práticas em sala de aula — o compromisso político inerente a quem assuma o mister de formar professores, mormente o de participar efetivamente na construção dos fins para os quais se empenhará e trabalhará. 

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, S. J. Cidadania global, consumo e política educacional. In: SILVA, L. H; SILVA, T. T. A escola cidadã no contexto da globalização. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 121-137.

BALL, S.J.; BOWE, R. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992.

BARROSO, J. O estudo da autonomia da escola: da autonomia decretada à autonomia construída. In: BARROSO, J. (Org.). O estudo da escola. Porto: Porto Editora, 1996. p. 167-189.

BEECH, J. A internacionalização das políticas educativas na América Latina. Currículo sem Fronteiras, v. 9, n. 2, p. 32-50, jul./dez. 2009.

BRZEZINSK, I. Formação de professores para a educação básica e o curso de pedagogia: a tensão entre instituído e instituinte. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 23, n. 2, p. 229-251, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 1/2006, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, 15 maio 2006. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2014.

BRASIL. Parecer n. 251/62. Currículo mínimo e duração para o curso de graduação em Pedagogia. Relator: Valnir Chagas. Documenta, n. 11, p. 59-65, 1963.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2011.

BOURDIEU, P; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

BAUDELOT, C.; ESTABLET, R. La escuela capitalista. 5. ed. México: Siglo Veintiuno, 1978.

CANÁRIO, R. Os estudos sobre a escola: problemas e perspectivas. In: BARROSO, J. (Org.). O estudo da escola. Porto: Porto Editora, 1996. p. 121-150

CASTRO, M. de. A formação de professores e gestores para os anos iniciais da educação básica: das origens às diretrizes curriculares nacionais. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 23, n.2, p. 199-227, maio/ago. 2007.

DAL RI, N. M. Sindicato, autonomia e gestão democrática na universidade pública. 1997. Tese (Doutorado) — Universidade Estadual Paulista, Marília, 1997.

DEROUET, J. L. O funcionamento dos estabelecimentos de ensino em França: um objecto de estudo em redefinição. In: BARROSO, J. (Org.). O estudo da escola. Porto: Porto Editora, 1996.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, para quê? 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LIMA, L. C. A escola como organização educativa: uma abordagem sociológica. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LIMA, L. C. Construindo um objecto: Para uma análise crítica da investigação portuguesa sobre a escola. In: BARROSO, J. (Org.). O estudo da escola. Porto: Porto Editora, 1996. p. 15-39

LUCE, M. B. M.; MEDEIROS, I. Gestão democrática da escola pública: práticas e vivências. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

MACHADO, L. M.; MAIA, G. Z. A. A formação dos profissionais da educação à luz das novas diretrizes curriculares nacionais. Revista Brasileira de Política e Administração Escolar, v. 23, n. 2, p. 293-313, maio/ago. 2007.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.

NÓVOA, A. As organizações escolares em análise. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

PARO, V. H. Administração Escolar: introdução crítica. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 38. ed. Campinas: Autores Associados, 2007. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo, v. 5).

SILVA, C. S. B. Curso de Pedagogia no Brasil: história e identidade. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2003. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo, n. 66).

SILVA Jr., J. R.; FERRETTI, C. J. O institucional, a organização e a cultura da escola. São Paulo: Xamã, 2004.

TEIXEIRA, A. S. Natureza e função da administração escolar. ANPAE.

Administração Escolar, edição comemorativa do I Simpósio de Administração Escolar, 1968.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.042.AO01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat