O PIBID como “terceiro espaço” de formação inicial de professores

Helena Maria dos Santos Felício

Resumo


Este trabalho visa analisar a percepção dos licenciandos envolvidos no ProgramaInstitucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), na Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), referente ao desenvolvimento de tal programa como um espaçotempo para a formação docente. Zeichner (2010) estrutura o conceito de terceiro espaço, rejeitando as polaridades entre teoria e prática na formação de professores em prol da elaboração de espaçostempos que reúnam o conhecimento prático ao acadêmico de modos menos hierárquicos, tendo em vista a criação de novas oportunidades de aprendizagem para professores em formação inicial. A partir desse conceito, realizamos a análise qualitativa dos significados do PIBID, construídos pelos licenciandos bolsistas no triênio 2010-2012, a dos pressupostos metodológicos dos estudos das narrativas. Para tanto, estabelecemos como categorias as informações sobre relação teoria-prática, relação Universidade-Escola, realidade educacional e escolar, formação inicial e continuada da docência. Os resultados apontam para a necessidade de o PIBID, como política pública de formação inicial de professores, provocar ações nas políticas de carreira docente e nas políticas definidoras de condições do trabalho docente, uma vez que, para os licenciandos, apesar de o PIBID se constituir como um espaçotempo fundamental para consolidação de uma formação docente de qualidade, o Ensino Superior se configura o nível almejado por eles para o exercício da docência.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 009/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 jan. 2002. Seção 1, p. 31.

BRASIL. Decreto n. 7.219, de 24 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jun. 2010. Seção 1, p. 4

CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. J. Relatos de experiencia e investigación narrativa. In: LARROSA, J. et al. Déjame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación. Barcelona: Editorial Laertes, 1995.

DAMIANI, M. F. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar em Revista, n. 31, p. 213-230, 2008.

DIAS DA SILVA, M. H. G. F. Política de formação de professores no Brasil: as ciladas da reestruturação das licenciaturas. Perspectiva, v. 23, n. 2, p. 381-406, jul./dez. 2005.

FERREIRA, L.; REALI, A. Aprendendo a ensinar e a ser professor: contribuições e desafios de um programa de Iniciação a Docência para Professores de Educação Física. 2005. Trabalho apresentado à 28. Reunião da ANPEd, Caxambu, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

GARCIA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Líber Livro, 2005.

GATTI, B. A. Formação de professores para o Ensino Fundamental: instituições formadoras e seus currículos. São Paulo: Fundação Victor Civita, 2010. (Estudos & Pesquisas Educacionais, 1).

GOMES, C.; FELÍCIO, H. M. S. Caminhos para a docência: O PIBID em foco. São Leopoldo: Oikos, 2012.

LIBÂNEO, J. C. A aprendizagem escolar e a formação de professores na perspectiva da Psicologia Histórico-cultural e da Teoria da Atividade. Educar em Revista, n. 24, p. 113-147, 2004.

LÜDKE, M.; CRUZ, G. B. Aproximando a Universidade da Escola Básica pela pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, p. 81-109, maio/ago. 2005.

NEVES, C. M. C. Relatório de gestão 2009-2011. Brasília: Capes, Diretoria de Educação Básica Presencial, 2012.

NOVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. 3. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, maio/ago. 2004.

PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SACRISTÁN, J. G. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NOVOA, A. (Org.). Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1991.

SANTOS, H. M. O estágio curricular na formação de professores: diversos olhares. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, jan./abr. 2009.

SEVERINO, A. J. Educação, sujeito e história. São Paulo: Olho d’Água, 2002.

ZEICHNER, K. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidade. Educação, v. 35, n. 3, p. 479-504, maio/ago. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.042.DS05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat