O desafio de pesquisar a educação infanti l: limites e possibilidades

Evelise Maria Labatut Portilho, Hilda Maria Zanetti Heller de Mattos, Juliana Boff Aramayo Cruz

Resumo


O presente artigo relata os resultados da pesquisa “Aprendizagem e conhecimento na ação educativa”, de uma escola de educação infantil da rede privada na cidade de Curitiba, PR. O ensino infantil é a etapa da educação em que as crianças são sujeitos ativos de sua aprendizagem e desenvolvimento, protagonizando a construção do conhecimento. Por entender que a professora desempenha importante papel nessa etapa, decidiu-se pesquisar a representação profissional e social dessa professora, tendo como objetivo fazê-la perceber-se como profissional do ensino atuando como pesquisadora de sua prática educativa. Optou-se por utilizar como instrumentos de pesquisa: entrevistas com as professoras, com os pais de alunos e com funcionários da escola, diários dos alunos e das professoras, observação da sala de aula e do ambiente educativo, Questionário Honey-Alonso de Estilos de Aprendizagem, Inventário Portilho-Beltrami de Estilos de Aprendizagem com as crianças e encontros reflexivos com as professoras. Os dados indicam que a representação profissional que as professoras têm de si mesmas está pautada no cuidado meramente assistencialista, denotando a dicotomia do binômio educar/cuidar. Por outro lado, a representação social que a comunidade tem da professora da educação infantil já apresenta uma mudança, com ascendência significativa da formação docente associada ao cuidado como atitude fundante do ser humano. A formação da professora como pesquisadora ainda apresenta desafios, sendo necessário desenvolver a reflexividade na prática pedagógica cotidiana.

Texto completo:

PDF

Referências


BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação. Brasília: Inep, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC, 2001.

EDUCAÇÃO. In: HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. 2007. 1 CD-ROM.

ESTEBAN, M. T.; ZACCUR, E. (Org.). Professora-pesquisadora: uma práxis em construção. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

KRAMER, S. Formação de profissionais de educação infantil: questões e tensões. In: MACHADO, M. L. de A. (Org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002.

KRAMER, S. Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

SPINK, J. P. (Org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v11i32.4096

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat