BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA COMO MEDIADORA NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO

Heloisa Helena Anzolin, Rosa Lydia Teixeira Corrêa

Resumo


Neste trabalho analisamos como se dá a produção de conhecimentona universidade, por meio de professores-pesquisadores queparticipam de Grupos de Pesquisa, e daqueles que atuam apenasem sala de aula, e alunos-PIBIC em uma instituição de ensinosuperior. Essas três categorias de sujeitos estão sendo investigadasa partir do uso de serviços/produtos da Biblioteca universitáriaque se caracteriza como centro difusor de cultura e saber acumuladoatravés do tempo. Estuda como se dá a relação entre Biblioteca eConhecimento e, consequentemente, como ela contribui para aprodução cientifica e atuação docente na universidade. Uma dasfunções da universidade é ser um espaço que permite o despertarpara o pensamento crítico, o que pode ser feito tanto por meio doensino quanto da pesquisa. O esforço empreendido nestainvestigação foi para responder ao problema que integra umainvestigação em nível de mestrado, qual seja: a Bibliotecauniversitária como centro difusor do saber, tem contribuído para a atuação docente e para pesquisa? As respostas dos sujeitos apontampara a afirmativa de que, a Biblioteca está sim contribuindo para aprodução de conhecimento, por meio das diversas possibilidadesde acesso a informação que disponibiliza além de serviços/produtosoferecidos a comunidade acadêmica da IES.

Texto completo:

PDF

Referências


ALFONSO-GOLDFARB, A. M. O que é história da ciência. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Coleção primeiros passos; 286).

BROWNING, J. Libraries without walls for books without pages. 2002. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2007.

BURKE, P. Uma história social do conhecimento: de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2000.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

GLOSSÁRIO da sociedade do conhecimento. Lisboa: APDSi, 2005.

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR – IES. É a universidade privada que mais investe em pesquisa no Paraná. Vida universitária, v. 21, n. 167, p. 6, 2006.

JULIATTO, C. I. Pensando na biblioteca da universidade. Educação brasileira, v. 10, n. 21, p. 105-123, 1998.

MARQUES, M. O. Escrita e pesquisa na universidade. In: MARQUES, M. O. Escrever é preciso. 4. ed. Ijuí: Unijuí, 2003.

MARTINS, W. A palavra escrita: história do livro, da imprensa e da biblioteca. 3. ed. São Paulo: Ática, 2002.

MILANESI, L. O que é biblioteca. São Paulo: Brasiliense, 1998. (Coleção primeiros passos; 94).

MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

MORIN, E. O método 3: o conhecimento do conhecimento. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005.

OLIVEIRA, N. M. de. A biblioteca das instituições de ensino superior e os padrões de qualidade do MEC: uma análise preliminar. Perspectivas em ciência da informação, v. 7, n. 2, p. 207-221, jul./dez. 2002.

RODRIGUES JÚNIOR, J. M. et al. Produção do conhecimento tecnológico na UFMG. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 5, n. 2, p. 231-242, jul./dez. 2000.

SANTOS, B. S. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SCHWANITZ, D. Cultura geral: tudo o que se deve saber. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

SETZER, V. Dado, informação, conhecimento e competência. DataGramaZero – Revista de ciência da informação, n. 0, dez. 1999. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2006.

SEVERINO, A. J. Pós-Graduação e pesquisa: o processo de produção e de sistematização do conhecimento no campo educacional. In:

BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. (Org.). A bússola do escrever: desafios e estratégias de teses e dissertações. Florianópolis: UFSC, 2002. p. 67-108.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987.

WANDERLEY, L. E. W. O que é universidade. São Paulo: Brasiliense, 1983. (Coleção primeiros passos; 91).

YIN, R. K. Estudo de caso. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v8i25.3802

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat