INTERSEÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS ENTRE A HISTÓRIA DO ENSINO E A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA: DISCUTINDO A PESQUISA SOBRE O MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA

André Luís Mattedi Dias

Resumo


Apresento um argumento em favor da aproximação teóricometodológica da história do ensino da matemática com a história da matemática, fundamentado na existência de uma interseção entre os processos históricos que resultaram naquilo que se convencionou chamar de Movimento da Matemática Moderna, por um lado, e um outro processo de expansão da influência científica e matemática norte-americana na América Latina, a saber, a presença do matemático americano Marshall Stone, protagonista dos dois casos. Concluo defendendo a tentativa de construção de um quadro teórico-metodológico apropriado para efetivar essa aproximação nas pesquisas históricas dos dois campos, mas trago uma restrição à utilização do conceito de cultura e da metodologia da descrição densa de Clifford Geertz ISSN 1518-3483 Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 26, p. 61-79, jan./abr. 2009 ©Revista Diálogo Educacional 62 Dias, A. L. M. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 26, p. 61-79, jan./abr. 2009 concomitante com a abordagem da história cultural tal como proposta por Roger Chartier, em virtude das críticas que o próprio Chartier faz à utilização dos elementos de Geertz.

Texto completo:

PDF

Referências


BALDINO, R. R. A ética de uma definição circular de número real. Bolema, v. 10, n. 9, p. 31-52, 1994.

BELHOSTE, B.; GISPERT, H.; HULIN, N. Les sciences au lycée. Paris: INRP/Vuibert, 1996.

BOS, Henk J. M.; MEHRTENS, H.; SCHNEIDER, I. (Ed.). Social history of nineteenth-century mathematics. Boston: Birkhäuser, 1981.

BRAGA, C. Felix Klein e os princípios do movimento modernizador do ensino da matemática secundária do início do século XX. In: ______. O processo inicial de disciplinarização de função na matemática do ensino secundário brasileiro. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica São Paulo, São Paulo, 2003.

______. O processo inicial de disciplinarização de função na matemática do ensino secundário brasileiro. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

BÚRIGO, E. Z. Movimento da matemática moderna no Brasil: estudo da ação e do pensamentos de educadores matemáticos nos anos 60 f. 1989. Dissertação (Mestrado em Educação) – Uiniversidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1989.

CHARTIER, R. “Cultura popular”: revisitando um conceito historiográfico. Estudos Históricos, v. 8, n. 16, p. 179-192, 1995.

______. Text, symbols, and frenchness. Journal of Modern History, v. 57, n. 4, p. 682-695, 1985.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, n. 2, p. 177-229, 1990. CONGRESSO BRASILEIRO DO ENSINO DA MATEMÁTICA, 3., 1959. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: CADES-MEC, 1959. p. 15.

D’AMBROSIO, B. S. The dynamics and consequences of the modern mathematics reform movement for Brazilian mathematics education. 1987. Tese (Doutoramento em Educação) – Indiana University, Indiana, 1987.

D’AMBROSIO, U. Reminicências pessoais da minha atuação enquanto presidente do CIAEM. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2009.

DANTAS, M. M. de S. O ensino da matemática na Bélgica, Inglaterra e França: relatório de estudos realizados na Europa em 1953. Arquivos da Universidade da Bahia (Faculdade de Filosofia), v. 3, p. 133-156, 1954.

______. Discurso de abertura. In: CONGRESSO NACIONAL DE ENSINO DA MATEMÁTICA NO CURSO SECUNDÁRIO, 1., Salvador, 1955. Anais... Salvador: Faculdade de Filosofia, Universidade da Bahia, 1957. p. 255-263.

______. Depoimento. Cadernos do IFUFBA, ano 9, v. 6, n. 1- 2, p. 11-36, 1993.

DARNTON, R. The great cat massacre and other episodes in French cultural history. New York: Basic Books, 1984.

DASSIE, B. A. A matemática do curso secundário na reforma Gustavo Capanema. 2001. Dissertação (Mestrado em Matemática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001

DIAS, A. L. M. As fundadoras do Instituto de Matemática e Física da Universidade da Bahia. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 7, n. 3, p. 653-674, 2001.

______. Engenheiros, mulheres, matemáticos: interesses e disputas na profissionalização da matemática na Bahia (1896-1968). 2002. Tese (História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

FELIX, L. Aperçu historique sur la CIEAEM (1950-1984). Bordeaux: IREM, 1986.

GRAY, J. J. Anxiety and abstraction in nineteenth-century mathematics. Science in Context, v. 17, n. 1/2, p. 23-47, 2004.

GUIMARÃES, H. M. Por uma matemática nova nas escolas secundárias: perspectivas e orientações curriculares da matemática moderna. In:

MATOS, J. M.; VALENTE, W. R. (Org.). A matemática moderna nas escolas do Brasil e de Portugal: primeiros estudos. São Paulo: GHEMAT, 2007. p. 21-45.

HUNT, L. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

MATOS, J. M.; VALENTE, W. R. (Org.). A matemática moderna nas escolas do Brasil e de Portugal: primeiros estudos. São Paulo: GHEMAT, 2007.

O’CONNOR, J. J.; ROBERTSON, E. F. Marshall Harvey Stone. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2009. Interseções teórico-metodológicas entre a história do ensino e a história da matemática

OECE. Mathématiques nouvelles. Paris: OECE, 1961.

OLIVEIRA, M. C. A. de. Professores de matemática ao tempo do Movimento da Matemática Moderna: perspectivas de pesquisa. Revista Diálogo Educacional, v. 6, n. 18, p. 79-89, 2006.

ORTIZ, E. L. El viaje de Birkhoff a la Argentina y la política interamericana de Roosevelt. Saber y Tiempo, v. 4, n. 16, p. 21-70, 2003a.

______. La política interamericana de Roosevelt: George D. Birkhoff

y la inclusión de América Latina en las redes matemáticas internacionales (Parte I). Saber y Tiempo, v. 4, n. 15, p. 53-111, 2003b. PAIS, L. C. Didática da matemática: uma análise da influência francesa. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL. História da Educação Matemática. Curitiba, v. 6, n. 18, 2006.

ROCHA, J. L. da. A matemática do curso secundário na reforma Francisco Campos. 2001. Dissertação (Mestrado em Matemática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001

ROWE, D. E. Making mathematics in an oral culture: Göttingen in the era of Klein and Hilbert. Science in Context, v. 17, n. 1/2, p. 85-129, 2004.

SCHUBRING, G. O primeiro movimento internacional de reforma curricular em matemática e o papel da Alemanha: um estudo de caso na transmissão de conceitos. Zetetiké, v. 7, n. 11, p. 29-50, 1999.

______. Rupturas no estatuto matemático dos números negativos. Boletim GEPEM, n. 37, p. 51-65, 2000.

______. Rupturas no estatuto matemático dos números negativos. Boletim GEPEM, n. 38, p. 73-93, 2001.

SILVA, C. M. S. da. A matemática positivista e sua difusão no Brasil. Vitória: EDUFES, 1999.

______. A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP e a formação de professores de matemática. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 23., Anais... Caxambu: ANPEd, 2000. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2009

______. A Formação de professores e pesquisadores de matemática na Faculdade Nacional de Filosofia. Cadernos de Pesquisa, n. 117, p. 103-126, nov. 2002.

______. A construção de um instituto de pesquisas matemáticas nos trópicos: o IMPA. Revista Brasileira de História da Matemática, v. 4, n. 7, p. 37-67, 2004.

SILVA, C. P. da. A matemática no Brasil: uma história do seu desenvolvimento. Curitiba: Ed. da UFPR, 1992.

STONE, M. H. Reminiscences of mathematics at Chicago. In: AMERICAN MATHEMATICAL SOCIETY. A century of mathematics in America II. Providence: American Mathematical Society, 1989. p. 183-190.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, n. 13, p. 5-24, 2000.

VALENTE, W. R. Uma história da matemática escolar no Brasil (1730-1930). São Paulo: Annablume, 1999.

______. Saber científico, saber escolar e suas relações: elementos para reflexão sobre a didática . Revista Diálogo Educacional, v. 4, n. 10, p. 57-67, 2003.

______. A matemática moderna nas escolas do Brasil: um tema para estudos históricos comparativos. Revista Diálogo Educacional, v. 6, n. 18, p. 19-34, 2006.

______. Osvaldo Sangiorgi e o movimento da matemática moderna no

Brasil. In: SEMINÁRIO TEMÁTICO: A MATEMÁTICA MODERNA NAS ESCOLAS DO BRASIL E DE PORTUGAL, 4., 2007. Almada. Anais. Lisboa, 2007.

VESSURI, H. The institutionalisation process. In: SALOMON, Jean-Jacques; SAGASTI, Francisco R.; SACHS-JEANTET, Céline. (Ed.). The uncertain quest: science, technology and development. Tokyo: The United Nations University, 1994. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v9i26.3658

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat