Relação pedagógica no grupo tutorial: desafios e possibilidades das metodologias participativas (ativas)

Edileuza Fernandes da Silva

Resumo


Este texto objetiva analisar a relação pedagógica desenvolvida no grupo tutorial na metodologia PBL adotada no curso de Medicina de um centro universitário privado do Distrito Federal, visando compreender desafios e possibilidades na construção do conhecimento de forma colaborativa e participativa. Colaboraram com a pesquisa um professor e quatro estudantes do segundo semestre do curso. A abordagem metodológica consistiu na análise de depoimentos levantados por meio de entrevista semiestruturada com professor, grupo focal com quatro estudantes e observação de oito horas de sessões tutoriais que oportunizaram compreender aspectos relativos à dinâmica do grupo tutorial. O quadro teórico da pesquisa foi elaborado com base em Berbel (1998), Leitinho e Sá Carneiro (2013) para discutir a Aprendizagem Baseada em Problemas; em Veiga (2001, 2014) para discutir a relação pedagógica e o processo didático; em Saviani (2007, 2008) para abordar a pedagogia histórico-crítica; e em Araújo (2017) para discutir as matrizes pedagógico-metodológicas ativas e participativas. Da análise dos dados da pesquisa, foi possível apreender que no grupo tutorial, a relação pedagógica é democrática, pautada no respeito ao indivíduo, sendo o poder de decisão e ação compartilhado por todos e identificar alguns elementos constitutivos do grupo tutorial que sinalizam o movimento de transição da metodologia ativa para a pedagogia histórico-crítica. A formação médica requer metodologia colaborativa, participativa e problematizadora fundamentada na prática social em que professor e estudantes, apesar de ocuparem posições distintas, constroem uma relação pedagógica favorável à compreensão e ao encaminhamento de soluções dos problemas apresentados pela prática social.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, J. C. S. Da metodologia ativa à metodologia participativa. In: VEIGA, I.P.A. et al. Técnicas de ensino e aprendizagem como expressão das metodologias problematizadoras “in press ”.

BARROWS, H. S. Criteria for analyzing a problems-based learning curriculum. In: RANKIN, J. A. (org.). Handbook on problem-based learning . Nova York: Forbes Custom Publishing, 1999.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? In: Interface — Comunicação, Saúde, Educação, v. 2, n. 2, 1998.

BERNSTEIN, B. Clases, códigos y control . v. 2. Hacia una teoría de las transmisiones educativas. Madrid: Akal, 1977.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução CNE/CES n. 3, de 20 de julho de 2014. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. (Diário Oficial, Brasília, 06/06/2014).

LEITINHO, M. C. e SÁ CARNEIRO, C. C. B. Aprendizagem baseada em problemas: Uma abordagem pedagógica e curricular. In: Veiga, I. P. A. (org.). Novas tramas para as técnicas de ensino e estudo. Campinas: Papirus, 2009.

SANTOS, B. S. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA; HERON, L. et al. (Orgs.). Novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Petrópolis: Vozes, 1996.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: História e teoria. Campinas: Autores Associados, 2008.

VEIGA, I. P. A. O cotidiano da aula universitária e as dimensões do projeto político- pedagógico. In: CASTANHO, S.; CASTANHO, M. E. (Orgs.). Temas e textos em metodologia do ensino superior. Campinas: Papirus, 2001.

VEIGA, I. P. A. Na sala de aula: O estudo dirigido. In: VEIGA, I. P. A. (org.). Técnicas de ensino: por que não? 21. ed. 4ª reimp. Campinas: Papirus, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.16.050.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat