A formação inicial de professores na Finlândia

Thyara Antonielle Demarchi, Rita Buzzi Rausch

Resumo


Nesta pesquisa buscamos compreender os princípios que norteiam a formação inicial de professores na Finlândia especialmente nas Universidades de Helsinque e Jyväskylä. Realizamos uma pesquisa qualitativa, do tipo estudo de caso, tendo como procedimentos de geração de dados entrevistas e observações de aulas, análise de documentos institucionais das duas instituições e documentos oficiais finlandeses. Os participantes da pesquisa foram oito docentes formadores de professores para Educação Primária (quatro de cada universidade). A análise baseou-se na técnica da Análise de Conteúdo e apoiamo-nos em André (2006, 2008); Lüdke (2009); Contreras (2002) e Alarcão (1996) para discutir as cinco categorias definidas a posteriori e, que evidenciaram os principais princípios da formação de professores nas duas Universidades: Pesquisa; Autonomia; Relação teoria e prática, Reflexão e Cooperação. Como principais resultados, destacamos que: a pesquisa é a base de todo o processo de formação inicial na Finlândia; a tomada de decisões se dá de maneira autônoma, delineada em valores de responsabilidade social; a relação teoria e prática foi enfatizada nos momentos da formação de professores que acompanhamos e compreendida como um princípio essencial para o desenvolvimento profissional e pessoal dos professores; a cooperação foi evidenciada nas relações entre professores formadores, estudantes, universidades e escolas de Educação Básica. Entendemos que estes princípios possam auxiliar os professores do Brasil, no sentido de perceberem diferentes perspectivas, ressignificando conhecimentos teóricos e práticos que envolvem a profissão docente. Os resultados possibilitam repensar, também, as Políticas Públicas da formação de professores no nosso País.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, I. Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora, 1996.

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva . 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

ANDRE, M. E. D. A. de. Ensinar a pesquisar... como e para quê? In: XIII ENDIPE, 2006, Recife. Educação Formal e Não Formal . Recife: Edições Bagaço, v. 3, 2006. p. 221-233.

ANDRE, M. E. D. A. O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, 2008.

CONTRERAS, J. Autonomia dos professores . São Paulo: Cortez, 2002.

FINLAND. Ministry of Education and Culture. Education in Finland. The Youth Guarantee in Finland: provides employment, training and a customised service, 2012.

FINLAND. Ministry of Education and Culture. Department of Education and Science Policy. Education and Research 2011-2016: a Development Plan. Helsinque: 2012.

FINLAND. Programme of Prime Minister Jyrki Katainen’s Government . Helsinque: 2011.

HELSINKI. Research-based Teaching at the Heart of Teacher Education. University of Helsinki, Department of Teacher Education, Faculty of Behavioural Sciences: 2011.

IMBERNÓN, F. Inovar o ensino e a aprendizagem na universidade . São Paulo: Cortez, 2012.

JYRHÄMÄ, R.; MAARANEN, K. Research-Orientation in a Teacher’s work. In: NIEMI., Hannele et al. Miracle of Education : The Principles of Teaching and Leaning in Finnish Schools. Rotterdam: Sense Publishers, 2012. p. 97-112.

JYVÄSKYLÄ. Teacher Education Department Curriculum . University of Jyväskylä: 2012.

LÜDKE, M. et al. O que conta como pesquisa? São Paulo: Cortez, 2009.

MARCELO GARCÍA, C. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MARCELO GARCÍA, C.; VAILLANT, D. Ensinando a ensinar: As quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Ed. UTFPR, 2012.

MIZUKAMI, M. da G. N. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002.

NÓVOA, A. O regresso dos professores . Pinhais: Editora Mello, 2011.

OECD. Attracting, Developing and Retaining effective Teachers. Country background report for Finland. Finland: Ministry of Education, 2003.

OECD. Organization for Economic Co-operation and Development.ICT in Initial Teacher Training. Finland: Country Report, 2010.

PEREIRA, E. M. de A.; ALMEIDA, M. de L. P. de. Reforma Universitária e a construção do espaço europeu de educação superior: análise de uma década do processo de Bolonha. Campinas: Mercado das Letras, 2011.

RAUSCH, R. B. O processo de reflexividade promovido pela pesquisa na formação inicial de professores. 2008. 326 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

SADALLA, A. M. F. de A. Construindo uma escola reflexiva: o que a psicologia tem a ver com isso? In. VICENTINI, A. A. F.; SANTOS, I. H. dos; ALEXANDRINO, R. (orgs). O coordenador pedagógico : práticas, saberes e produção de conhecimentos. Campinas: Graf. FE, 2006.

SADALLA, A. M. F. de A.; SÁ-CHAVES, I. Constituição da reflexividade docente: indícios de desenvolvimento profissional coletivo. Educação Temática Digital (EDT) , Campinas, v. 9, n. 3, p. 189 203, jun. 2008.

ZABALZA, M. A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.16.050.DS04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat