“Black Mirror” e aprendizagens em rede: distopia, retrotopia e utopias em vivências (trans)formadoras na educação

Adriana Rocha Bruno, Judilma Aline Silva, Sebastião Gomes Almeida Júnior

Resumo


O presente artigo apresenta três experiências de pesquisa desenvolvidas pelo Grupo de Pesquisa Aprendizagem em Rede, fomentadas com episódios da série de TV britânica “Black Mirror - BM”. Tendo como objetivo os estudos da cultura e educação digitais, a primeira vivência (trans)formativa se deu no interior do grupo de estudos, seguida de outra que envolveu o grupo e estudantes da Faculdade de Educação e uma última, com jovens que cumprem medidas sócioeducativas em regime semi-aberto. Sob o viés teórico de estudos recentes da cibercultura, destacam-se conceitos tratados por Pierre Lévy (1999, 2014) e por André Lemos (2018), em diálogo com conceitos de distopia (JACOBY, 2007), retrotopia (BAUMAN, 2017) e utopia (FREIRE, 2006a). A análise, em meio a pesquisa narrativa (CLANDININ e CONNELLY, 2011), considerou que no mundo atual coexistem movimentos


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.19.062.DS09

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat