Autonomia e autoridade científicas na educação: um campo dialógico e compreensivo

Rodrigo Avila Colla

Resumo


O presente artigo propõe uma atualização da teoria dos campos de Pierre Bourdieu para repensar os parâmetros usados para aferir o grau de autonomia e autoridade científicas da Educação. Utiliza-se de revisão teórica de autores Bourdieu (1983; 2003; 2004), Bernard Lahire (2002), Bernard Charlot (2006), Boaventura de Sousa Santos (2004; 2008), Hans-Georg Gadamer (1999), José Carlos Libâneo (2005) e Émile Durkheim (2007; 2011). Parte-se do pressuposto de que no contexto contemporâneo, onde a heterogeneidade de demandas se intensifica, e num campo com suas especificidades, neste caso a Educação, é preciso pensar na autonomização e na busca por autoridade científica em outros termos. Sugere-se o diálogo compreensivo interdisciplinar e entre agentes internos e externos do campo como alternativa para obtenção de reconhecimento (autoridade científica) e autonomia, levando em conta as particularidades do campo da Educação.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.18.059.AO05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat