A escola primária idealizada por Sampaio Dória: como ensinar a Tabuada?

Ilka Miglio de Mesquita, Marcus Aldenisson de Oliveira

Resumo


Este artigo parte da seguinte problemática: como se configura a proposta de ensino da Tabuada a partir da intuição analítica defendida por Sampaio Dória? São estabelecidos os seguintes objetivos: compreender as recomendações de Sampaio Dória para o ensino da Tabuada a partir do seu método intuitivo analítico e identificar, quando possível, as articulações entre leitura, escrita e o saber aritmético (Tabuada) em termos metodológicos. As fontes privilegiadas são alguns escritos de Sampaio Dória, os quais foram publicados na Revista da Sociedade de Educação (1923-1924). Para a análise das fontes utilizam-se os indicadores teórico-metodológicos da História Cultural, a exemplo dos estudos de Chartier (1990, 1998). A análise evidencia que a partir do método intuitivo analítico de Sampaio Dória o estudo da Tabuada conduziria a criança de maneira progressiva a sair da intuição para a definição, do concreto para o abstrato.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, J. D. Teoria da história: a Escola dos Annales e a Nova História, vol. 5. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.

BRU, M. Les méthodes en pédagogie. 3. ed. Paris: Presses Universitaires de France, 2015.

BURKER, P. História e teoria social. Tradução Klauss Gerhardt, Roneide Venâncio Majer e Roberto Ferreira Leal. 3. ed. São Paulo: Unesp, 2012.

CARVALHO, F. Tratado de methodologia. 3. ed. São Paulo: Livraria Francisco Alves, 1909.

CARVALHO, M. M. C. A Reforma Sampaio Dória, Política e Pedagogia: problematizando uma tradição interpretativa. In: MIGUEL, M. E.; VIDAL, D.;

ARAUJO, J. (Orgs.). Reformas educacionais: as manifestações da Escola Nova no Brasil (1920-1946). Campinas: Autores Associados, Uberlândia: EDUFU, 2011, p. 5-30.

CARVALHO, M. M. C. Sampaio Dória - Coleção Grandes Educadores. Recife: Fundação

Joaquim Nabuc/ Editora Massagana, 2010. Disponível em: . Acessado em: 10 fev. 2015.

CARVALHO, M. M. C. Estratégias editoriais e territorialização do campo pedagógico: um livro de Sampaio Dória sob a pena do editor da Biblioteca de Educação. Revista História da Educação (online): Porto Alegre, v. 17, n. 39, jan./abr., 2013, p. 39-56.

CATANI, D. B. A imprensa periódica educacional: as Revistas de Ensino e o estudo do campo educacional. Revista Educação e Filosofia, 10 (20), p. 115-130, jul/dez. 1996.

CAVALIERE, A. M. Entre o pioneirismo e o impasse: a reforma paulista de 1920. Revista Educação e Pesquisa: São Paulo, v. 29, n. 1, jan./jun., 2003, p. 27-44.

CHARTIER, R. A História Cultural: entre práticas e representações. Tradução Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CHARTIER, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. 2. ed. Tradução de Mary Del Priore. Brasília: Ed. da UnB, 1998.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Revista Teoria & Educação, n. 2, p. 177-231, 1990.

DESCARTES, R. Discurso do método. Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

DORIA, A. S. Applicações didacticas: methodo no ensino da mathmatica. Revista da Sociedade de Educação. São Paulo, v. 1, n. 2, p. 160-173, out., 1923a. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2015.

DORIA, A. S. Como se Ensina. 1. ed. São Paulo: Monteiro Lobato & C., 1923b.

DORIA, A. S. O ensino da Leitura. Revista da Sociedade de Educação. São Paulo, v. 3, n. 7, p. 14-54, ago., 1924. Disponível em:. Acessado em: 13 mar., 2015.

ECHAVARRÍA, J. D. L. et al. El Método Analítico. Colômbia: Universidade de Antioquia, 2010.

GILSON, E. A filosofia na Idade Média. Trad Eduardo Brandão. São Paulo: Editora Martins, 2001.

GONDRA, J. G. O Veículo de Circulação da Pedagogia Oficial da República: a Revista Pedagógica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília: v. 78, n. 188/189/190, p. 374-395, jan./dez., 1997.

LAPOINTE, S. Qu’est-ce que l’analyse? (Collection Chemins Philosophiques) Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 2008.

LOCKE, J. Ensaio acerca do entendimento humano. Trad Anoar Aiex. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1999.

MATHIESON, L. C. O militante e o pedagogo Antonio de Sampaio Doria: a formação do cidadão republicano. São Paulo 2012. 181f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

MEDEIROS, V. A. Antonio de Sampaio Dória e a modernização do ensino em São Paulo

nas primeiras décadas do século XX. São Paulo, 2005. (Doutorado em Educação) — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

MEDEIROS, V. A. Antonio de Sampaio Doria nos debates educacionais: A longa duração de uma “presença ausência”. II Congresso Brasileiro de História da Educação: História e memória da educação brasileira. Natal: p. 1-11, nov., 2002.

MONROE, P. História da Educação. 7. ed. Trad Idel Becker e Therezinha G. G. São Paulo: Editora Nacional, 1968.

NERY, A. C. B. A Sociedade de Educação de São Paulo: embates no campo educacional (1922-1931). São Paulo: Editora UNESP, 2009.

NERY, A. C. B. (In)Formando, Divulgando e Educando: uma década de imprensa periódica em São Paulo, 2002.

PEREIRA, A.R. A. Leitura Intuitiva. In: THOMPSON, Oscar et al. A Eschola Publica: Ensaio de Pedagogia Pratica. São Paulo: Typographia Paulista, 1895, p. 15-28.

PESTALOZZI, J. H. Cartas sobre educación infantil. 3. ed. Trad. José María Quintan Cabanas. Madrid, España: Editorial Tecnos S. A, 2012 [1818-1819].

PESTALOZZI, J. H. El canto del cisne. Trad. José María Quintana Cabanas. Barcelona: Editorial Laertes, 2003 [1827].

RODRIGUES, A. Um método genético-formal para o ensino da geometria elementar. Lisboa: Tipografia União Gráfica, 1943.

RUDOLFER, N. S. Introdução à psicologia educacional. 3. ed. São Paulo, Editora Nacional, 1965.

SCARAMELLI, J. Resumo de methodologia geral do ensino. São Paulo: Typ. Do Globo, 1918.

SILVEIRA, J. Leitura na Escola Primária. São Paulo: Empresa gráfica da “Revista dos Tribunais”, 1960.

SOËTARD, M. Qu’est-ce que la pédagogie? Le pédagogue au risque de la philosophie. Issy-les-Moulineaux: ESF éditeur, 2001.

UBRICH, G. La méthode intuitive de Ferdinand Buisson: histoire d’une méthode pédagogique oubliée. Paris: L’Harmattan, 2014.

VÁRNAGY, T. O pensamento político de John Locke e o surgimento do liberalismo. In: BORON, Atílio A. (Org.). Filosofia política moderna: de Hobbes a Marx. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales; DCP-FFLCH, Departamento de Ciências Políticas, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas - USP, 2006. p. 45-80




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.048.DS04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat