A urgência de propostas inovadoras para a formação de professores para todos os níveis de ensino

Vani Moreira Kenski

Resumo


Este artigo trata da necessidade urgente de planejamento e implantação de propostas inovadoras para a formação de professores para todos os níveis de ensino. Considera a importância educacional e social estratégica da formação de bons professores para a Educação Básica, e a necessidade de rever a formação e atuação de professores do Ensino Superior — sobretudo os que atuam em cursos de licenciaturas e de magistério — para adequá-los a novas propostas de formação. Reflete sobre a formação do docente universitário para o uso de redes sociais como possibilidade de maior intercomunicação entre professores e alunos. Discute a ampliação os usos dessas redes para formações transdisciplinares nas universidades: formando redes de professores; integrando participantes de cursos presenciais e a distância e ampliando o círculo de atuação das universidades por meio de redes que alcancem diversos outros segmentos da sociedade.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M. A. Os institutos superiores de educação: uma das faces da reforma educacional no Brasil. In: SGUISSARDI, V. (Org.). Educação superior: velhos e novos desafios. São Paulo: Editora Xamã, 2000.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2015.

CALDAS, W. Morin defende formação do intelectual polivalente. O Estado de São Paulo, São Paulo, 9 jul. 2000. Caderno 2, p. D4.

CASTELLS, M. O fim do milênio. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREITAS, H. C. L. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação & Sociedade, v. 23, n. 80, p.136-167, ago. 2002.

GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010. Disponível em:. Acesso em: 3 ago. 2014.

IBOPE INTELIGÊNCIA. Número de usuários de redes sociais ultrapassa 46 milhões de brasileiros. 2013. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2014.

KENSKI, V. M. Educação e comunicação: interconexões e convergências. Educação & Sociedade, v. 29, n. 104, p. 647-665, out. 2008.

KENSKI, V. M. Formação/ação de professores: a urgência de uma prática docente mediada. In: PIMENTA, S. G.; ALMEIDA, M. I. (Org.). Pedagogia universitária. São Paulo: Edusp, 2009.

LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

MOORE, M.; KEARSLEY, G. Distance education: a system view. Toronto: Thomson Wadsworth, 2001.

MORIN, E. A cabeça bem feita. São Paulo: Bertrand Brasil, 2000.

MUILENBURG, L.Y.; BERGE, Z. L. Barriers to distance education: a factor-

-analytic study. The American Journal of Distance Education, v. 15, n. 2, p. 7-22, 2001.

INTERNATIONAL TELECOMUNICATION UNION – ITU. Trends in Telecommunication Reform 2015. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun.2015.

SCHEIBE, L. Diretrizes curriculares para o curso de Pedagogia: uma solução negociada. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 23, n. 2, p. 277-292, maio/ago. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.15.045.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat