De Rui Barbosa a Ferdinand Buisson: uma investigação sobre como ensinar desenho

Ivanete Batista dos Santos, Marcos Denilson Guimarães

Resumo


Com o propósito de caracterizar o Desenho no ensino primário brasileiro das décadas finais do século XIX buscamos neste artigo desvendar em que medida os métodos prescritos para o ensino primário foram resultantes de apropriações de modelos oriundos de outros países. Para isso inicialmente foi examinada uma produção de Rui Barbosa (trata-se do parecer da Reforma do Ensino Primário e Várias Instituições Complementares da Instrução Pública das Obras Completas de Rui Barbosa vol. X, Tomo II, 1883) em busca de pistas sobre as finalidades do Desenho na proposta pedagógica divulgada por esse intelectual. Em seguida, inspirados em Bastos (2000), procuramosarrolar elementos de aproximação e distanciamento em relação a apropriação do método intuitivo e/ou lições de coisas proposto por Rui Barbosa (1849-1923) para o ensino de Desenho a partir do entendimento posto a circular por Ferdinand Buisson (1841-1932). Constamos que ao que tudo indica, Rui Barbosa fez outras apropriações para o modelo de ensino primário brasileiro. Para os dois, o método intuitivo era considerado como o fundamento de todo o conhecimento. Porém, enquanto Ferdinand Buisson entende método intuitivo e “lições de coisas” como situações diferentes, para Rui Barbosa as “lições de coisas” era o próprio método intuitivo cujo ensino prático e utilitário do Desenho deveria ser ensinado por esse processo. 

Texto completo:

PDF

Referências


AURAS, G. M. T. Manual de lições de coisas de Norman Calkins: operacionalizando a forma intuitiva de ensinar e de aprender. In: Sarmiento. Anuário Galego de História da Educación, n. 11, p. 79-92, 2007.

BARBOSA, R. Reforma do Ensino Primário e várias Instituições Complementares da Instrução Pública. Obras Completas de Rui Barbosa. v. 5. 1883, tomo 2. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1946.

BASTOS, M. H. C. Ferdinand Buisson no Brasil. Pistas, vestígios e sinais de suas ideias pedagógicas (1870-1900). Revista História da Educação — ASPHE/FaE/ UFPel, v. 4, n. 8, set. 2000. p. 79-109.

BUISSON, F. L’instruction primaire à l’exposition universelle de Vienneen 1873. Paris: Nationale, 1875.

BUISSON, F. Rapport sur l’instruction primaire à l’exposition universelle de Philadelphie en 1876. Paris, 1878.

BUISSON, F. Les conférences pédagogiques faites aux instituteurs délégués à l’Exposition universelle de 1878. 3ª ed. Paris: Delagrave, 1880, p. 325-363.

BUISSON, F. Dictionnaire de Pédagogie et Instruction Primaire. Paris: Hachette, 1888.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; Lisboa: DIFEL, 1990.

LOEFFEL, L. La morale à l’écoleselon Ferdinand Buisson. Paris: Tallandier, 2013.

SOUZA, R. F. Inovação educacional no século XIX: a construção do currículo da escola primária no Brasil. Cadernos Cedes (UNICAMP). 2000, vol. 20, n.51.

UBRICH, G. La méthode intuitive de Ferdinand Buisson: histoire d’une métho de pédagogique oubliée. Paris: Harmattan, 2014.

ZANATTA, B. A. O Legado de Pestalozzi, Herbert e Dewey para as práticas pedagógicas escolares. Revista Teoria e Prática da Educação, v. 15, n. 1, p. 105- 112, jan./abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.048.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat