ESCOLARIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO: a contribuição da Psicologia Histórico-Cultural

Marta Kohl Oliveira

Resumo


O texto apresenta questões relevantes quanto à contribuição da psicologia histórico-cultural para a reflexão sobre as relações entre escolarização e desenvolvimento do pensamento. A questão fundamental: se a  escola ensina a pensar, qual é exatamente seu efeito sobre os sujeitos que por ela passam? As posições tradicionalmente defendidas oscilam entre postular um modo superior de pensar, que distinguiria o sujeito que passa pela escola daquele que não passa, e propor que qualquer modo de pensar seria igualmente valioso e que, portanto, a escola não teria nenhum efeito relevante. A posição que avança em relação a essas duas busca contextualizar historicamente a instituição escolar, atribuindo à presença de determinados instrumentos culturais a fonte das diferenças observadas nas modalidades de pensamento. Destaca-se a heterogeneidade dos sujeitos no processo de formação de seu psiquismo, em que a configuração de cada sujeito é absolutamente singular, resultante de sua potencialidade tipicamente humana, do momento da vida em que se encontra, de sua imersão em determinados grupos culturais, do desenvolvimento de sua história familiar e pessoal. A escola, enquanto instituição historicamente contextualizada, apresenta certa proximidade em sua organização interna com relação às etapas de desenvolvimento propostas pela psicologia. Apresenta, também, clara ruptura com as práticas de ação e pensamento típicas do cotidiano. Essas características são bastante compatíveis com os postulados da abordagem histórico-cultural.

 


Texto completo:

PDF

Referências


DAVIDOV, V. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico: investigación psicológica teórica y experimental. Moscou: Progresso, 1988.

GOODY, J. ; WATT, I. The consequences of literacy. In: GOODY, J. (Ed.) Literacy in traditional societies. Cambridge: Cambridge University Press, 1968.

Luria, A. R. Desenvolvimento cognitivo: seus fundamentos culturais e sociais. São Paulo, SP: Ícone, 1990.

OLIVEIRA, M. K. de. Vygotsky e o processo de formação de conceitos. In: YVES de La Taille et al. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo, SP: Summus, 1992.

_____ . Escolarização e organização do pensamento. Revista Brasileira de Educação, v. 3, p. 97-102, set./dez. 1996,

_____ . Sobre diferenças individuais e diferenças culturais: o lugar da abordagem histórico-cultural. In AQUINO, J. G. (Org.). Erro e fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo, SP: Summus, 1997.

_____ . Três questões sobre desenvolvimento conceitual. In: OLIVEIRA, M. B.de; OLIVEIRA, M.K. de (Orgs.). Investigações cognitivas: conceitos, linguagem e cultura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

_____ ; TEIXEIRA, E. A questão da periodização do desenvolvimento psicológico. In: OLIVEIRA, M. K. de; SOUZA, D. T. R.; REGO, T. C. (Orgs.). Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo, SP: Moderna, 2002.

REGO, T. C. Configurações sociais e singularidades: o impacto da escola na constituição dos sujeitos. In: OLIVEIRA, M. K. de; SOUZA, D. T. R. ; REGO, T. C. (Orgs.). Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo, SP: Moderna, 2002.

VAN de VEER, R.; VALSIER, J. Vygotsky, uma síntese. São Paulo, SP:Loyola, 1996.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas: (Psicologia infantil). Madrid: Visor, 1996. v. 4.

_____ . A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_____ .; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v4i10.6407

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat