VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS E REPRESENTAÇÕES SOCIAIS: um diálogo necessário no cotidiano escolar

Ana Maria Eyng, Maria Lourdes Gisi, Romilda Teodora Ens

Resumo


As representações sociais comportam dimensões históricas, sociais e culturais, que se manifestam na tomada de decisão e nas ações no cotidiano escolar. Portanto, entender as representações dos múltiplos protagonistas do/no contexto escolar como dimensões da complexidade do fenômeno no cotidiano escolar, significa entender a escola, ela em si mesma, como complexa. Nesta perspectiva, foram analisadas as representações sobre as violências que se manifestam no cotidiano escolar, com o propósito de favorecer uma melhor compreensão sobre este fenômeno e subsidiar formas de redução e prevenção. A pesquisa ISSN 1518-3483 Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 467-480, set./dez. 2009 Licenciado sob uma Licença Creative Commons Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 467-480, set./dez. 2009 468 EYNG, A. M.; GISI, M. L.; ENS, R. T. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 467-480, set./dez. 2009 foi realizada em duas etapas, a primeira etapa em 2006 e 2007, com 728 alunos(as) de ensino fundamental e médio e 57 professores(as) em sete escolas públicas do Estado do Paraná, mediante o método das evocações. A segunda em 2008, numa escola pública estadual de grande porte com pais, alunos, professores e profissionais pedagógicos e administrativos – agrupados como funcionários. Os dados foram obtidos mediante realização de entrevistas estruturadas. Os dados evidenciam que o fenômeno das violências nas escolas é percebido de modo diferente pelos diferentes protagonistas, o que pode estar associado ao fato deste fenômeno, não ter se constituído, em âmbito geral, nas escolas, em uma questão para análises coletivas e proposição de ações conjuntas. E pelo fato das representações sociais estarem fortemente ancoradas em concepções que são próprias de cada grupo social e do seu contexto. Assim cabe chamar a atenção para a necessidade de um maior aprofundamento da discussão coletiva, da definição de posicionamentos e estratégias de ação compartilhadas. E, em especial, a inserção dessa temática em cursos de formação inicial e continuada de professores para a educação básica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Em Aberto, Brasília, ano 4, n. 61, p. 60-78, 1994.

ANDRADE, D. B. da S. F. Representações sociais do trabalho docente segundo licenciandos da UFMT. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE e III CONGRESSO IBERO AMERICANO DE VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS, 8., 2008. Anais... Curitiba: Champagnat, 2008. p. 11624-11634. CD-ROOM.

ARROIO, M. G. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

BOBBIO, N.; MATTEUCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. 12. ed. Brasília: Ed. da UNB, 2004.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 32. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

JODELET, D. La representación social: fenómenos, concepto y teoria. In: MOSCOVICI, S. Psicología Social II. Barcelona: Paidós, 1993. p. 469-494.

______. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). Representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001. p. 17-44.

______. Loucuras e representações sociais. Petrópolis: Vozes, 2005.

MARKOVÁ, I. Dialogicidade e representações sociais: as dinâmicas da mente. Tradução de Hélio Magri Filho. Petrópolis: Vozes, 2006.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília: Unesco, 2000.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2003.

NASCIMENTO, M. das G. P. Violência e escola: o que pensam os/as professores/as. In: CANDAU, V. M.; SACAVINO. S. Educar em direitos humanos: construir democracia. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. p. 140-157.

OLIVEIRA, D. C. et al. Análise das evocações livres: uma técnica de análise estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A. S. P. et al. Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa: Ed. da UFPB, 2005. p. 573-603.

SOUSA, P. M. L. Agressividade em contexto escolar. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2009.

WERTHEIM, J. As idéias da Unesco no Brasil. Brasília: Unesco, 2002.




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v9i28.3175

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat