Práticas de iniciação à docência: o diário de campo como instrumento para pensar a formação de professores

Sandra Oliveira, Elí Henn Fabris

Resumo


O artigo é resultado de um recorte da pesquisa de doutorado (OLIVEIRA, 2015) defendida no início de 2015 em articulação com pesquisa desenvolvida (FABRIS, 2013-2016) em um programa de pós-graduação em Educação no Brasil. O estudo busca dar visibilidade a alguns elementos que compõe as práticas de iniciação à docência a partir do uso do diário de campo por um grupo de licenciandas em Pedagogia vinculadas ao primeiro programa brasileiro de bolsa de iniciação à docência (Pibid). Apoiado nos campos teóricos dos Estudos em Docência e dos Estudos Foucaultianos e fazendo uso da ferramenta teórico-metodológica da subjetivação como operador analítico, o exercício recorreu a um conjunto de materiais produzidos por meio de um questionário semiestruturado e de diários de campo produzidos pelos sujeitos pesquisados. Resultados indicam o diário de campo como um potente instrumento para a formação de professores. Por meio de uma formação alicerçada nos fios constitutivos do saber, do poder e da ética, tal instrumento torna-se uma tecnologia humana produtiva de formas específicas e contingentes de subjetividades docentes.


Texto completo:

PDF

Referências


DAL’IGNA, M. C.; FABRIS, Elí Henn Fabris. Práticas de iniciação à docência no Pibid/Unisinos: processo em avaliação. In: VIII Congresso Internacional de Educação e III Congresso Internacional de Avaliação. Gramado/RS/Brasil: Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS, 2013.

FABRIS, E. T. H. A Relação Universidade e Educação Básica na Produção da Docência Contemporânea. Edital Universal CNPq2012. Programa de Pós-Graduação em Educação Unisinos. (2013-2016).

FOUCAULT, M. Então é importante pensar? Michel Foucault (Entrevista). Trad. Wanderson Flor do Nascimento. In: FOUCAULT, Michel. Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994, vol. IV, p. 178-182.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos III: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Organização de Manoel Barros da Motta. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

FOUCAULT, M. Ditos e Escritos V: Ética, Sexualidade, Política. Trad. de Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, M. A Hermenêutica do Sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2010b.

GARCIA, M. M. A.; FONSECA, M. S.; LEITE, V. C. Teoria e prática na formação de professores: a prática como tecnologia do eu docente. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.29, n.03, p. 233-264, set. 2013.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do Eu e educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

LEWGOY, A.; ARRUDA, M. P. Novas tecnologias na prática profissional do professor universitário: a experiência do diário digital. Revista Texto e contextos: Coletâneas em Serviço Social, Porto Alegre: EDIPUCRS, n.2, p.115-130, 2004.

MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M. A pedagogia, a democracia, a escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

NIETZSCHE, F. Humano, demasiadamente humano. 3 ed. Trad. de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

OLIVEIRA, S. de. Tornar-se professor/a: matriz de experiência e processos de subjetivação na iniciação à docência. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, UNISINOS: São Leopoldo, 2015.

ROCHA, S. P. V. Em que ainda somos niilistas. Revista Tecnologias de Comunicação e Subjetividade. Ano 16, 1º sem. 2009.

ROSE, N. Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, T. T. (org.). Inventando nossos selfs: Psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis: Vozes, 2011.

SENNETT, R. Juntos. Os rituais, os prazeres e a política da cooperação. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.AO06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat