INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA PÚBLICA: AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORAS

Laêda Bezerra Machado, Ednea Rodrigues de Albuquerque

Resumo


Este artigo analisa uma das dimensões do conteúdo das representações sociais de inclusão escolar de professoras da rede municipal do Jaboatão dos Guararapes (PE). A pesquisa foi desenvolvida com 43 docentes de turmas regulares que recebem alunos com deficiência.O suporte teórico do estudo é a teoria das representações sociais e o procedimento de coleta foi a entrevista semiestruturada. As informações foram interpretadas à luz da análise de conteúdo. Dos resultados, focalizamos a categoria resistências e impossibilidades para realizar inclusão como forte conteúdo representacional. As análises nos levam a admitir que não se faz inclusão apenas com boa vontade e legislação avançada. Promovê-la implica garantir aos alunos reais condições de aprendizagem e desenvolvimento social. Para isso, é preciso que a agenda das políticas públicas de educação esteja atenta às representações sociais dos responsáveis diretos pela efetivação da inclusão escolar: os professores.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. D.; NAUJORKS, M. I. As representações sociais dos professores acerca da inclusão de alunos com distúrbios globais do desenvolvimento. In: 28ª REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓSGRADUAÇÃO

EM EDUCAÇÃO, out. 2005, Caxambu-MG. Trabalho apresentado... Caxambu-MG, 2005. Disponível em . Acesso em: 22 maio 2006.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BAZANTE, T. M. G. D. Quando as (in)certezas e as esperanças se (des) encontram: um estudo das representações sociais dos professores sobre educação especial na rede estadual de ensino. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.

BONFIM, Z. A. C.; ALMEIDA, S. F. C. Representação social: conceituação, dimensões e funções. Revista de Psicologia, v. 9-10, p. 75-89, 1993. BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB. Lei 9.394/96, de 20 dez. 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, Seção 1, ano 134, n. 248, p. 27833- 2784120, dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC;SEESP, 2001. Disponível em:. Acesso em: 21 dez. 2012.

FIGUEIREDO, R. V. Políticas de inclusão: escola-gestão da aprendizagem na diversidade. In: ROSA, D. E. G. (Org.). Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

GILLY, M. As representações sociais no campo da educação. In:

JODELET, D. As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001.

GOFFREDO, V. Integração ou segregação? O discurso e a prática das escolas públicas da Rede Oficial do Município do Rio de Janeiro. Integração, v. 4, n. 10, p. 118-127, 1992.

JODELET, D. Representações sociais um domínio em expansão. In:

JODELET, D. As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001.

LIMA, F. J. Mitos e pré-conceitos em torno do aluno com deficiência na escola regular e na escola especial. Texto apresentado em sala de aula, disciplina Individualidade e Formação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

MANZINI, E. F. Quais as expectativas com relação à inclusão escolar do ponto de vista do educador? Temas sobre Desenvolvimento, v. 7, n. 42, p. 52-54, 1999.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, prática e criatividade. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

NOVAES, M. E. Professora primária: mestra ou tia. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1987.

PIRES, J.; PIRES, G. N. A integração escolar de crianças portadoras de necessidades especiais na classe regular: implicações legais e compromisso social. Integração, v. 10, n. 20, p. 23-26, 1998.

SANT’ANA, I. M. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em Estudo, v. 10, n. 2, p. 227-234, 2005.

SCHAFFNER, C. B.; BUSWELL, B. Dez elementos críticos para a criação de comunidades de ensino inclusivo e eficaz. In:

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. (Org.). Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. p. 69-85.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SZYMANSKI, H. (Org.). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Líber Livro, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.7431

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat