GRUPOS DE CONSENSO: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COLABORATIVA PARA O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Patrícia Lupion Torres, Paulo Alcantara, Esrom Adriano Freitas Irala.

Resumo


Este artigo apresenta considerações teóricas e práticas sobre o conceito de Aprendizagem Colaborativa. Em uma proposta de Aprendizagem Colaborativa, os alunos constroem coletivamente seu conhecimento por meio de uma troca constante de informações, de pontos de vista, de questionamentos, de resoluções de questões e de avaliações. Este modelo de aprendizagem tem demonstrado ser efetiva em aumentar o nível acadêmico dos estudantes e em desenvolver habilidades de trabalho em grupo. Estudos reportam que estudantes que aprendem em grupos pequenos demonstram maior realização do que estudantes que foram expostos à instrução sem trabalho cooperativo ou colaborativo. Primeiramente, buscou-se uma conceituação do termo colaboração e a sua diferenciação com o termo cooperação, assim como uma perspectiva histórica do desenvolvimento da Aprendizagem Colaborativa. A partir desse resgate conceitual e histórico, apresenta-se uma proposta para a implementação da Aprendizagem Colaborativa na prática pedagógica por meio da aula de grupos de consenso, sugerindo-se um planejamento adequado de todas as etapas do processo ensino-aprendizagem para o sucesso das atividades de Aprendizagem Colaborativa. Assim, foram considerados quatro conceitos da psicologia social para o planejamento de uma proposta de Aprendizagem Colaborativa: logística, estratégia, tática e técnica. Espera-se que o planejamento cuidadoso de todas as atividades de tal proposta possa provocar rupturas, desafiando os educandos e levando-os a formar uma comunidade de aprendizagem coesiva e reflexiva, cujos membros trabalhem para alcançar objetivos comuns enquanto respeitam a diversidade de idéias, valores, crenças e estilos de vida uns dos outros.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN ASSOCIATION FOR THE ADVANCEMENT OF SCIENCE. Science for All Americans: Project 2061. New York: Oxford University Press, 1989. p.148.

ARRIADA, M. C.; RAMOS, E. F. Como promover condições favoráveis à aprendizagem cooperativa suportada por computador? Florianópolis: Departamento de Informática e Estatística, Universidade Federal de Santa Catarina, 2000.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Curitiba: Champagnat, 1999.

BRUFFEE, K. A. Collaborative Learning and the “Conversation of Mankind”. College English, v. 46, n. 7, p. 635-652, nov. 1984.

_______. Collaborative learning. Baltimore: The John Hopkins University Press, 1993.

_______. Sharing our toys: Cooperative learning versus collaborative learning. Change, p.12-18, jan./feb. 1995.

_______. Collaborative learning: higher education, interdependence, and the authority of knowledge. 2nd edition. Baltimore: Johns Hopkins, 1999.

CORD, B. Internet et pédagogie – état des lieux. Disponivel em: Acesso em: 04 jul. 2000.

CUNHA FILHO, P. C. et al. EAD.br: Educação à distância no Brasil na era da internet: o Projeto Virtus e a construção de ambientes virtuais de estudo cooperativo. São Paulo,SP: Anhembi Morumbi, 2000.

DAELE, A. Carnet de bord et portofolio en apprentissage collaboratif à distance. Disponível em: Acesso em: 04 jul. 2000

GAILLET, L. L. A historical perspective on collaborative learning. Disponível em: Acesso em: 09 mar. 2004.

GILLIAM, J. H. The impact of cooperative learning and course learning environment factors on learning outcomes and overall excellence in the community college classroom. Raleigh, 2002. Tese de Doutorado - Programa de Pós-Graduação, North Carolina State University.

HARASIM, L. On-Line Education: A New Domain. In: MASON, Robin; KAYE, Anthony (eds). Mindweave: Communication, Computers and Distance instruction. Oxford: Pergamon, 1989.

MAHIEV, P. Travailler em équipe. Paris: Hachette Education, 2001.

MATTHEWS, R. S. et al. Building bridges between cooperative and collaborative learning. Cooperative Learning and College Teaching Newsletter, v. 6, n. 1, p. 2-5.

Disponível em: <:http://www.csudh.edu/SOE/cl_network/RTinCL.html> Acesso em: 10 abr. 2004.

NITZKE, J.; GELLER, M.; CARNEIRO, M. Aprendizagem cooperativa/ colaborativa. Disponível em:< http://www.nie.ufrgs.br/~alunosspg99/mara/ menu.htm> Acesso em: 19 dez. 2000.

NITZKE, J.; CARNEIRO, M.; GELLER, M. Aprendizagem cooperativa / colaborativa apoiada por computador (ACAC). Trabalho apresentado no SBIE 1999. Disponível em: http://www.niee.ufrgs.br/~alunospg99/mara/ Acesso em: 28.01.2001.

OXFORD, R. L. Cooperative Learning, Collaborative Learning, and Interaction: three communicative strands in the language classroom. The Modern Language Journal, v. 81, n. 4, p. 443 – 456, 1997.

PAAS, L. C. A integração da abordagem colaborativa à tecnologia internet para aprendizagem individual e organizacional no PPGEP. Florianópolis, 1999. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção da UFSC. Disponível em: Acesso em: 19 dez..2000.

PALANGANA, I. C. Desenvolvimento & aprendizagem em Piaget e

Vygotsky: a relevância do social. São Paulo,SP: Plexus, 1994.

PANITZ, T. A definition of collaborative vs cooperative learning. Disponível em: Acesso em: 14 dez. 2003.

SPRINGER, L.; STANNE, M. E.; DONOVAN, S. Effects of cooperative learning on academic achievement among undergraduates in science, mathematics, engineering, and technology: a meta-analysis (Unpublished Report). Madison, WI: University of Wisconsin- Madison and National Center for Improving Science Education, The National Institute for Science Education, April 1997.

VALASKI, S. A aprendizagem colaborativa com uso de computadores: uma proposta para a prática pedagógica. Curitiba, 2003. 107 f.

Dissertação (Mestrado em Educação) – Setor de Ciências Humanas e Teologia, Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

VISCA, J. Clínica psicopedagógica: epistemologia convergente. Porto Alegre: Artes médicas, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v4i13.7052

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat