CIÊNCIA, INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E PÓS-MODERNIDADE

Ziléa Baptista Nespoli.

Resumo


A “crise da ciência”, ocorrida nos últimos decênios do século XIX, coloca-nos para refletir sobre o que hoje consideramos como: conhecimento, saber, ciência e “saberes”, pois, nem todo o saber é científico e a ciência precisa de todos os “saberes” para se legitimar. Essa discussão perpassa pela pedagogia crítica e todo um discurso atual, em que a idéia de informatização está ligada ao armazenamento dos “saberes”, no computador. Surge com a era Pós- Moderna a sociedade do conhecimento onde a “pessoa instruída” deverá estar preparada para viver num mundo global. Será, pois, “uma cidadã do mundo”, em que o conhecimento será o capital do futuro. Para tal será preciso desenvolver estudos de técnicas que tornem os computadores capazes de decisões, de forma parecida com o ser humano. Essas técnicas fazem parte da inteligência artificial (IA), um ramo da ciência da computação. Com a nova visão de mundo, a educação é chamada a avançar com criatividade na perspectiva tecnológica para que, nesse mundo plural, possamos, ao transformar a cultura informática em um instrumento de solidariedade social, contribuir para a formação de cidadãos e atores sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M.W. Educação e poder. Porto Alegre:Artes Médicas,1989.

CONNOR, S. Cultura pós-moderna: introdução às teorias do contemporâneo. São Paulo,SP: Loyola, 1995.

GIROUX, H.A.S ch oolin g an d th e str uggle for public life.

Mineápolis:University of Minnesota Press.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro,RJ: DP§A, 1998

LYOTARD, Jean-François. O pós-moderno. Rio de Janeiro,RJ: José Olímpio, 1986.

MACLAREN, P. A vida nas escolas: uma introdução a pedagogia crítica nos fundamentos da educação. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

PESSIS-PASTERNAK, G. Do caos à inteligência artificial: quando os cientistas se interrogam. São Paulo,SP: Editora da UEP, 1993.

SILVA, T. T. da (org.). Alienígenas na sala de aula. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v4i13.7004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat