SIGNIFICADOS PRODUZIDOS POR PROFESSORES E ALUNOS ENVOLVIDOS NO PROGRAMA SALAS DE APOIO À APRENDIZAGEM NO ESTADO DO PARANÁ

Francismara Neves de Oliveira, Carlos Toscano

Resumo


Este artigo analisa as significações de ensinar e de aprender produzidas por professores e alunos de salas de apoio à aprendizagem em duas escolas estaduais em Londrina (PR). De caráter qualitativo, adotando a modalidade descritiva-interpretativa, a pesquisa apoiou-se nos estudos de Ezpeleta e Rockwell (1986), Moysés e Collares (1992), Lahire (1997) e Aquino (1997, 1998), com o objetivo de compreender o trabalho desenvolvido nesses espaços de atuação. As perguntas de pesquisa foram: quais as significações de alunos e professores a respeito do aprender e das dificuldades de aprender? Como a sala de apoio à aprendizagem é significada? Que significações estão presentes nos documentos norteadores do programa Salas de Apoio à Aprendizagem? Para sua realização, adotamos os seguintes procedimentos metodológicos: revisão bibliográfica, pesquisa documental, observação e entrevista. Dentre os resultados obtidos destacamos: 1) a existência do programa Salas de Apoio à Aprendizagem sinaliza o reconhecimento do problema do não aprender como algo sistêmico, entretanto, suas ações são concentradas na oferta de salas de apoio somente para as disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, cujas aulas são, via de regra, percebidas pelos alunos como idênticas às que tiveram na sala regular e não compreenderam; 2) a busca de certa culpabilização dos sujeitos pelo não aprender é muito presente e, a depender do lugar ocupado nas relações, a culpa pode recair sobre o professor, sobre o aluno e/ou sobre sua família.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADA, E. G. C. Família, escola e a dificuldade de aprendizagem: intervindo sistemicamente. Psicologia Escolar e Educacional , v. 7, n. 2, p. 171-178, dez. 2003.

AQUINO, J. G. Erro e fracasso na escola : alternativas teóricas e práticas. 2. ed. São Paulo: Summus, 1997.

AQUINO, J. G. A indisciplina e a escola atual. Revista da Faculdade de Educação , v. 24, n. 2, p. 181-204, jul./dez. 1998.

BISSOTO, M. L. O fracasso na escola. Revista Iberoamericana de Educación , n. 50, p. 81-98, 2009.

BRITO, A. Acerca de um desencuentro: la mirada de los professores sobre los alunos de la escuela secundaria em Argentina. Revista Iberoamericana de Educación, n. 51, p. 139-158, 2009.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A. A. Preconceito no cotidiano escolar : ensino e medicalização. São Paulo: Cortez, 1986.

EMÍLIO, S. A. O cotidiano escolar pelo avesso : sobre laços, amarras e nós no processo de inclusão. 2004. 252 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

EZPELETA, J.; ROCKWELL, E. Pesquisa participante . São Paulo: Autores Associados, 1986.

FAGALI, E. Q. Múltiplas faces do aprender : novos paradigmas da pós-modernidade. São Paulo: Unidas, 2001.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social . São Paulo: Atlas, 2002.

GOFFMAN, I. Estigma : notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 1997.

LUGLI, G. R.; GUALTIERI, E. C. R. A escola e o fracasso escolar . São Paulo: Cortez, 2012.

MERCADO-MALDONADO, R. Los saberes docentes como construcción social . México: Fondo de Cultura Económica, 2002.

LUZ, S. P. da et al. Formação continuada de docentes do ensino superior: contribuições para a prática pedagógica. Educere et Educare: Revista de Educação , v. 6, n. 12, p. 194-207, jul/dez. 2011.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. A história não contada dos distúrbios de aprendizagem. Cadernos CEDES , n. 28, p. 31-48, 1992.

PANIAGO, M. L F. S. Práticas discursivas de subjetivação no contexto escolar . 2005. 205 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2005.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar : histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

PARANÁ. Secretaria do Estado de Educação. Resolução n. 1690, de 24 de abril de 2011. Institui a partir de 2011, em caráter permanente, o Programa de Atividades Complementares Curriculares em Contraturno na Educação Básica na Rede Estadual de Ensino. Curitiba, PR, 24 maio 2011a. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2013.

PARANÁ. Secretaria do Estado da Educação. Instrução n. 007/2011 - SUED/SEED . Assunto: critérios para a abertura da demanda de horas-aula, do suprimento e das atribuições dos profissionais das Salas de Apoio à Aprendizagem do Ensino Fundamental, da Rede Pública Estadual de Educação. 2011. Curitiba, 4 jul. 2011b. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2012.

PARANÁ. Secretaria do Estado da Educação. Instrução n. 016/2011 – SEED/SUED . Assunto: Estabelece critérios para o atendimento educacional especializado em SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAL TIPO I, na Educação Básica – área da deficiência intelectual, deficiência física neuromotora, transtornos globais do desenvolvimento e transtornos funcionais específicos. Curitiba, PR, 22 nov. 2011c. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2013.

PARANÁ. Secretaria do Estado de Educação. Instrução 020/2012 - SUED/SEED . Assunto: Matriz Curricular para os Ensino Fundamental, anos finais, e para o Ensino Médio, da Rede Pública de Educação Básica. Curitiba, PR, 12 dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2013.

PARO, V. H. Reprovação escolar : renúncia à educação. São Paulo: Xamã, 2001.

SOUZA, M. P. R. de. Medicalização na Educação Infantil e no Ensino Fundamental e as políticas de formação docente: retornando à patologia para justificar a não aprendizagem escolar – a medicalização e o diagnóstico de transtornos de aprendizagem em tempos de neoliberalismo. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 31., 2008, Caxambu. Anais ... Caxambu: ANPEd, 2008. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.15.044.AC04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat