LINGUAGEM, DIALOGICIDADE E DOCÊNCIA: O PROCESSO DE FORMAÇÃO EM ATOS

Ilsa do Carmo Vieira Goulart

Resumo


Este texto parte da premissa de que a proposta de um trabalho formativo acontece subsidiado por reflexões da prática pedagógica, movidas tanto a partir do domínio teórico do conhecimento e saberes acumulados sobre a educação, quanto da capacidade de saber mobilizá-los em situações concretas de articulação da linguagem num processo de relação interpessoal. O ato de refletir sobre a prática, pode ser compreendido como um movimento de articulação ativa e interativa da capacidade discursiva, por envolver atos de se rever, repensar, reorganizar e retomar o vivido ou experienciado, o que se mostra um trabalho constante de ir e vir de um processo de construção, reconstrução ou desconstrução de um diálogo interior. Nesta perspectiva, este trabalho assume por objetivo refletir sobre a linguagem como interação verbal e dialogicidade no processo de formação docente e compreender como a articulação desta linguagem pode contribuir na construção da identidade do professor. Para isso, propõe-se a realização de uma pesquisa bibliográfica, que discorrerá a respeito da linguagem na abordagem dialógica de Bakhtin, com a Teoria da Enunciação e na concepção teórica da dialogicidade de Paulo Freire, com a Pedagogia da Humanização. Neste sentido, o trabalho procurará compreender e sinalizar aproximações entre as duas proposições teóricas, bem como a articulação e caracterização no processo de formação de educadores.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M. Para uma filosofia do ato: “válido e inserido no contexto”. In:

BRAIT, B. (Org.). Bakhtin, dialogismo e polifonia. São Paulo: Contexto, 2009.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2006.

BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do ato responsável. Trad. Valdemir Miotello e Carlos Arberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

BALZAN, N. C. Discutindo o processo de socialização profissional. In: REALI, A. M. de M. R.; MIZUKAMI, M. da G. N. (Orgs.). Formação de professores: tendências atuais. São Carlos: EDUFSCar, 1996. p. 47-91.

BARROS, M. Memórias Inventadas: A Segunda Infância. São Paulo: Planeta, 2006.

BARTHES, R. O rumor da língua. Trad. Mario Laranjeira. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004, p. 462.

BRASIL. Ministério da Educação; Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica; Resolução 4 de 13 de junho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Básica . Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação; Plano Nacional de Educação 2014-2024 . Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados; Edições Câmara, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. SEE: Brasília, 2015.

CANDAU, V. M. F. A formação continuada de professores: tendências atuais. In: REALI, A. de M. R.; MIZUKAMI, M. da G. N. (Orgs.). Formação de professores: tendências atuais: São Carlos: EDUFSCar, 1996. p. 139-152.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

FALSARELLA, A. M. Formação continuada e prática de sala de aula : os efeitos da formação continuada na atuação do professor. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2004.

FERREIRA, A. T. B.; ALBUQUERQUE, E. B. C. de; LEAL, T. F. (Orgs.). Formação continuada de professores . Belo Horizonte: Autêntica, 2007. FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, A. S. de. A questão da experiência na formação profissional dos professores. In: Ferreira, A. T. B.; Albuquerque, E. B. C. de; LEAL, T. F. (Orgs.). Formação continuada de professores . Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MIZUKAMI, M. G. N. Docência, trajetórias pessoais e desenvolvimento profissional. In: REALI, A. M. M. R.; MIZUKAMI, M. G. N. Formação de professores : tendências atuais. São Carlos: EDUFSCar, 1996. p. 59-89.

NÓVOA, A. Vida de professores. Lisboa: Porto Editora, 1989.

NÓVOA, A. (Org). Os professores e a sua formação . Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1995.

PÉREZ FERRA, M. La actitude indagadora del professor: um proceso para desenrrollar competencias em los docentes. Revista Curricullum y formación del profesorado , v.17, n.13, p. 57-72, sept. /deciembro, 2013.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar . Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PERRENOUD, P.; THURLER, M. G. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PESSOA, F. Poesia Completa de Alberto Caeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

PRADO, A. Bagagem . São Paulo: Editora Siciliano, 1993.

PRADO, J. C.; TESCAROLO, R. A pedagogia encharcada de amor de Paulo Freire na prática docente. In: Anais do... , EDUCERE: saberes docentes. Curitiba: Champagnat, 2007.

SOBRAL, A. O ato “responsível”, ou ato ético em Bakhtin, e a centralidade.

SIGNUM: Estudos da Linguagem, Londrina, n. 11/1, p. 219-235, jul. 2008.

SOUSA NETO, M. F. de. O ofício, a oficina e a profissão: reflexões sobre o lugar social do professor. Caderno Cedes , Campinas, vol. 25, n. 66, p. 249-259, maio/ago. 2005.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação inicial . Petrópolis: Vozes, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.049.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat