Conflitos professor-aluno: uma proposta de intervenção

Célio Rodrigues Leite, Suzane Schmidlin Löhr

Resumo


A responsabilidade do professor na condução do aprendizado dos alunos exige habilidades para o manejo de situações em que o diferente se faz presente. Requer habilidade para encontrar alternativas e solucionar problemas do dia a dia, o que pode ocasionar desgaste emocional e levar ao estresse. Isso pode ser decorrente da falta de instrumentalização para o manejo de conflito em sala de aula, chegando ao ponto do surgimento da síndrome de burnout. Porém se diante do conflito, o professor souber administrá-lo de forma clara e objetiva, o que se espera do processo de discussão, como alternativa de crescimento, soluções construtivas podem emergir. Esta foi a tônica de uma proposta implementada junto a professores de uma escola pública, com alto índice de afastamentos do trabalho por questões possivelmente ligadas ao manejo do conflito entre professores e alunos. Aplicou-se um questionário sobre o relacionamento professor-aluno e estratégias de manejo dos conflitos, respondido por 15 professores e 155 alunos. A partir dessas informações criou-se um grupo de acolhimento e reflexão, cujos encontros se iniciavam com a apresentação de uma situação problema e finalizavam com a proposição de alternativas para lidar com a questão. Foram realizados quatro encontros nesses moldes e, ao final do processo, foi perceptível a ampliação de alternativas para a solução dos conflitos e a mudança de percepção. Se, inicialmente, o movimento era focado na busca de culpados, ao final do processo, emergiu uma postura de mediação.Sugere que propostas desta natureza sejam implementadas nas escolas fortalecendo o papel produtivo do conflito. 

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, U. F. Moralidade e indisciplina: uma leitura possível a partir do referencial piagetiano. In: AQUINO, J. G. (Org.). Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. 7. ed. São Paulo: Summus, 1996. p. 103-116.

LA TAILLE, Y. de. A indisciplina e o sentimento de vergonha: indisciplina na escola. São Paulo: Summus, 1996.

LA TAILLE, Y. de. Limites: três dimensões educacionais. São Paulo: Ática, 1998.

LEITE, N. M. B. Síndrome de burnout e relações sociais no trabalho. 2008. 168 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

MARTINEZ ZAMPA, D. Mediación educativa y resolución de conflictos: modelos de implementación. Buenos Aires: Novedades Educativas, 2005.

SARRIERA, J. C.; CÂMARA, S. G. Pesquisa e intervenção junto a adolescentes: experiências que ensinam. In: RABELO, L. (Org.). Pesquisa e intervenção na infância e na juventude. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2008. p. 100-118.

VINHA, T. P. Valores morais em construção. Revista AMAE-Educando, Belo Horizonte, n. 285, p. 6-12, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.6101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat