O IMPACTO DA REFORMA UNIVERSITÁRIA NAS UES BAIANAS

Ronalda Barreto Silva, Wagner Duarte José

Resumo


Trinta e oito anos após a Reforma de 68, temos, na ordem do dia, uma nova reforma universitária em um governo popular. Algumas questões devem ser postas a fim de problematizarmos a discussão da proposta de reforma atual. No ano de 1961, Álvaro Vieira Pinto escreveu o livro A Questão da Universidade, publicado pela UNE, no qual afirmava que, com a mudança dos alicerces da realidade social, a classe dominante não podia mais contar tranqüilamente com a universidade como foco das concepções alienadas que favoreciam o seu domínio, como também a universidade começava a ser assediada por um exército popular, cujas intenções eram diversas dos diminutos e requintados alunos selecionados que a procuravam no passado. Os novos postulantes queriam a universidade para adquirir conhecimentos que os qualificassem para o trabalho futuro, útil, para a participação política, para modificar a estrutura social antiga e injusta, substituindo-a por outra humana e livre. Nesse bojo, outra questão apontada é importante: sacudir o jugo das pressões imperialistas que entravavam o país. Essas foram idéias que levaram os estudantes e setores progressistas da sociedade brasileira a desejarem a reforma da universidade. Partindo da concepção colocada por Pinto (1994) naquele momento, de que a classe dominante solicita da universidade acima de tudo as idéias que justifiquem o seu poderio, questionamos: quais os interesses subjacentes à reforma universitária que, desta vez, não está vindo dos anseios populares? Como estão postas, hoje, as pressões imperialistas, cujo jugo queria os estudantes erradicar na década de 60?

Texto completo:

PDF

Referências


CHAUÍ, Marilena. A universidade operacional. Disponível em: http://www.mec.gov.br/portal. Acessado em: 26 maio 2004.

_________. A universidade em ruínas. In: TRINDADE, Hélgio (Org.). Universidade em ruínas: na república dos professores. Petrópolis: Vozes, 2000.

CATANI, Afrânio M.; OLIVEIRA, João F. de (orgs.). Universidade pública no Brasil: identidade e projeto institucional em questão. In: TRINDADE, Hélgio (Org.). Universidade em ruínas: na república dos professores. Petrópolis: Vozes, 2000.

CORAGGIO, José Luis. Propostas do Banco Mundial para a Educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: DE TOMMASI, L. et al. (orgs.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1998.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser; GRAU, Nuria Cunill (Org.). O Público nãoestatal na reforma do Estado. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1999.

PINTO, Álvaro Vieira. A questão da universidade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

SILVA Jr., João José dos Reis; SGUISSARDI, Valdemar. Novas faces da educação superior no Brasil: Reformas do Estado e Mudanças na Produção. Bragança Paulista, EDUSF, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v7i21.4585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat