A fabricação da disciplina escolar Português

Clecio Bunzen

Resumo


O objetivo do presente trabalho é realizar uma breve reflexão sobre o surgimento e a ascensão da disciplina escolar Português, responsável pelo ensino formal da língua materna nas escolas. Nesse sentido, destacaremos discussões sobre a fabricação de um espaço/tempo para que os alunos aprendam a se apropriar dos saberes escolares e metadiscursos sobre a língua escrita. Ao nos basear nos estudos sobre as disciplinas escolares, apresentamosuma interpretação sobre o surgimento da disciplina escolar Português (na escola secundária) no âmbito de uma política linguística iluminista dos séculos XVIII e XIX, queenvolve aspectos dos processos de gramaticalização e escolarização da língua materna como um projeto imprescindível de identidade nacional. Em seguida, destacaremos alguns aspectos que reconfiguram a disciplina Português no século XX, com destaque para a construção dos programas oficiais e para a relação entre os estudos acadêmicos sobre o ensino de língua materna e as políticas públicas (PCN, PNLD, PNBE, etc.). 

Texto completo:

PDF

Referências


ANGELO, G. Revisitando o ensino tradicional de língua portuguesa. 2005.

f. Tese (doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade de Campinas, Campinas, 2005.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramaticalização. Campinas: Ed. da Unicamp, 1992.

BAGNO, M. Língua, história e sociedade. In: BAGNO, M. (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.

BATISTA, A. A. G. Aula de português: discurso e saberes escolares. São Paulo: M. Fontes, 1997.

BOTO, C. Aprender a ler entre cartilhas: civilidade, civilização e civismo pelas lentes do livro didático. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30 n. 3, p. 493- 511, set./dez. 2004.

BUNZEN, C. Dinâmicas discursivas na aula de português: os usos do livro didático e projeto didáticos autorais. 2009. 227 f. Tese (Doutorado em Linguistica Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

CASAGRANDE, N. dos S.; BASTOS, N. M. O. B. Ensino de língua portuguesa e políticas lingüísticas: século XVI e XVII. In: BASTOS, N. M. O. B. (Org.). Língua portuguesa: uma visão em mosaico. São Paulo: EDUC/PUC-SP, 2002.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. In: Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, 1990.

DIONISIO, M. de L. A construção escolar de comunidades de leitores.

Coimbra: Livraria Almedina, 2000.

FACCINA, R. Políticas linguísticas e ensino de língua portuguesa: da

República Velha à Constituição de 1934. 2000. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2007.

FARACO, C. A. As sete pragas do ensino de português. In: GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula: leitura & produção. 3. ed. Cascavel: ASOESTE, 1984.

FARACO, C. A. Por uma pedagogia da variação lingüística. In: CORREA, D. A. (Org.). A relevância social da linguística: linguagem, teoria e ensino. São Paulo: Parábola Editorial; Ponta Grossa: Editora da UEPG, 2007.

FREGONEZI, E. Conteúdo programático de Língua Portuguesa. In: FREGONEZI, E. Elementos de ensino de língua portuguesa. São Paulo: Arte e Ciência, 1999.

GERALDI, J. W.; SILVA, L.; FIAD, R. Lingüística, ensino de língua materna e formação de professores. In: DELTA, v. 12, n. 2, p. 307-326, 1996.

GUIMARÃES, E. Multilinguismo: divisões da língua e ensino no Brasil.

Campinas: CEFIEL/IEL, 2005.

HAIDAR, M. de L. M. O ensino secundário no Império Brasileiro. São Paulo: Edusp, 1972.

HILSDORF, M. L. S. História da educação brasileira: leituras. 2. ed. São Paulo:Pioneira Thomson Learning, 2005.

ILARI, R.; BASSO, R. O português da gente: a língua que estudamos, a língua que falamos. São Paulo: Contexto, 2006.

LAURIA, M. P. Livro didático de português: entre as concepções de ensino, trilhos da lei e as sendas do texto. 2004. 425 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

MARINHO, M. Discursos sobre a língua nos currículos de final do século. In: BARRETO, E. S. S. et al. Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Campinas: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1998.

PFROMM NETO, S.; et al. O livro na Educação. Rio de Janeiro: Primor/Instituto Nacional do Livro, 1974.

PIETRI, E. de. A constituição do discurso da mudança no ensino de língua portuguesa. 2003. Tese (Doutorado em Lingüística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

RANGEL, E. Livro didático de língua portuguesa: o retorno do recalcado. In: DIONÍSIO, A.; BEZERRA, M. A. (Org.). O livro didático de Português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.

RAZZINI, M. de P. G. O espelho da nação: a Antologia Nacional e o ensino de português e de literatura. 2000. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

ROJO, R. Modos de transposição didática dos PCNs às práticas de sala de aula: progressão curricular e projetos. In: Rojo, R. (Org.). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: EDUC; Campinas: Mercado de Letras, 2000.

ROJO, R; CORDEIRO, G. S. Apresentação: gêneros orais e escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. (Org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

ROJO, R. Gêneros de discurso/texto como objeto de ensino de línguas: retorno ao trivium? In: SIGNORINI, I. (Org.). [Re]discutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

SIGNORINI, I. A questão da língua legítima na sociedade democrática: um desafio para a linguística aplicada contemporânea. In: LOPES, L. P. da M. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.

ZILBERMAN, R. No começo, a leitura. Em Aberto, Brasília, n. 69, ano 16, 1996.

ZOTTI, S. Sociedade, educação e currículo no Brasil: dos jesuítas aos anos de 1980. Campinas: Autores Associados, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v11i34.4513

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat