O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: PLANEJAMENTO E AÇÃO

Maria Lourdes Gisi, Maria Leda Vieira, Ézia Maria Corradi, Marilin Hohl

Resumo


Este relato de experiência refere-se ao processo de construção do Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR. No início de 1998, a PUCPR desencadeou um amplo processo de avaliação das práticas pedagógicas, no âmbito da Instituição, com o intuito de instrumentalizar os Cursos na construção dos seus projetos pedagógicos. A partir dessa avaliação, com participação de docentes e discentes, mediante reflexão coletiva, iniciou-se a construção do Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem com o objetivo de favorecer a melhoria da qualidade do ensino da graduação. Compreendido como um instrumento norteador da ação docente, o projeto primou pelas seguintes dimensões: dimensão conceitual, dimensão estrutural: eixo norteador; eixos temáticos, aptidões/competências, programas de aprendizagem e projetos integrados. dimensão metodológica e dimensão operacional. Esta última refere-se as metas para a consecução da proposta: qualificação do corpo docente; recursos físicos e materiais; reavaliação dos campos de estágio; organização de grupos de pesquisa; desenvolvimento de projetos de extensão e sistemática da avaliação e acompanhamento da proposta. O projeto, implantado no início de 2000, tem evidenciado uma prática pedagógica inovadora, além da participação ativa dos alunos no seu processo de aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM – ABEn. Relatório final do 3º Seminário nacional de Diretrizes para a Educação em Enfermagem no Brasil – SENADEN. Rio de janeiro: ABEn, 1998. 14 º (mimeo).

_____ Relatório final do 4º Seminário Nacional de Diretrizes para a Educação em Enfermagem no Brasil.- SENADEN. Fortaleza: ABEn, 2000. 10 p. (mimeo).

BALZAN, Newton César; DIAS SOBRINHO,José. Avaliação institucional: teoria e experiências. 2ed. São Paulo: Cortez, 2000.

BERNSTEIN, Basil. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

BRASIL. Portaria nº 1721, 15 dez. 1994. Dispõe sobre a formação do enfermeiro de Graduação e revoga Resolução nº 4 de 25 de fevereiro. 1972. Diário Oficial (Brasília), nº 238, nº 19801, 1994. Seção 1.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Manual de legislação. 7 ed. São Paulo: Atlas, 1996. 228 p.

BORDENAVE, Juan Diaz; PEREIRA, Adair Martins. Estratégias de ensino aprendizagem. 6. ed. Campinas: Autores Associados, 1997.

BOTOMÉ, Silvio Paulo. Diretrizes para o ensino de graduação: O projeto

pedagógico da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba: Champagnat, 2000.

CARVALHO, G.I.; SANTOS, L. Comentários à Lei Orgânica de Saúde (Lei nº 8080/90 e 8.140/90) Sistema Único de Saúde. 2. ed. São Paulo: Hucitec. 394p.

DAVINI, Maria Cristina. Currículo integrado. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Geral de Desenvolvimento de Recursos Humanos para o SUS. Capacitação pedagógica para o instrutor/supervisor – área da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 1994. P. 39-48.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 2.ed. Campinas: Autores Associados, 1997.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE GRADUAÇÃO das Universidades Braileiras. Plano Nacional de Graduação: um projeto em construção. Rio de Janeiro, 1999 (mimeo).

GISI, Maria Lourdes. Teoria e prática do currículo. Curitiba: PUCPR/CIVITAS/SEDP, 2000.

GISI, Maria Lourdes; ZAINKO, Maria Amélia Sabbag. Universidade e construção do projeto político-pedagógico dos cursos. In: SAUPE, Rosita (Org.). Educação em enfermagem: da realidade construída à possibilidade em construção. Florianópolis: UFSC, 1998. Cap. 3, p. 87-118.

LIMA, Maria Auxiliadora da Cruz; CASSIANI, Silvia Helena De Bortoli. Pensamento crítico: um enfoque na educação de enfermagem. Revista Latino-Americana Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n. 1, p. 23-30, jan. 2000.

MARQUES, Mário Osório. A dinâmica de um currículo integrado. In: Currículo escolar: propósitos e práticas. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1999.

MERIEU, Philippe. Aprender...sim, mas como? 7.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

PETTENGILL, Myriam A. Mandella et al. O professor de enfermagem frente às tendências pedagógicas. Uma breve reflexão. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 32, n. 1, p. 16-26, abr. 1998.

SANTOS, Elaine Franco et al. Legislação em enfermagem: atos normativos do exercício e do ensino da enfermagem. São Paulo: Atheneu, 1997.

SAUPE, Rosita. O professor de enfermagem – a transformação possível. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 151-160, abr. 1993.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.) Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 2.ed. Campinas: Papirus, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v2i3.3520

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat