Narrativas e representações sociais: professores de ensino fundamental e fracasso escolar

Edna Maria Querido de Oliveira Chamon, Suellen Patereli Miragaia, Patrícia Diana Edith B. de S. e Camargo Ortiz Monteiro

Resumo


O artigo apresenta uma proposta de utilização da pesquisa narrativa na análise das representações sociais, ilustrando esse potencial diálogo por meio de um estudo na área de educação. Busca-se apreender as representações sociais de professores sobre a defasagem idade-série e, por extensão, sobre o fracasso escolar. A proposta é utilizar a narrativa como método para analisar as representações sociais. Como essas representações circulam na comunicação e são construídas socialmente, elas podem se revelar nas narrativas dos sujeitos pesquisados. O estudo foi realizado com 14 professores de ensino fundamental, sete de Matemática e sete de Língua Portuguesa, de uma rede pública municipal do interior do Estado de São Paulo. Estes professores trabalhavam em um programa de recuperação de aprendizagem com alunos de 6º a 9º ano. As narrativas foram construídas a partir de entrevistas individuais semi-estruturadas cuja questão central versava sobre como eram os alunos com defasagem idade-série e como se desenrolava o programa de recuperação. A análise das entrevistas incorporou os esquemas próprios dos estudos com narrativas, buscando identificar histórias e materiais contextuais, e reconstruir o significado amplo dessas histórias na forma de grandes temáticas organizadoras das representações sociais. Os resultados obtidos apontam para uma lógica de exclusão na qual a escola é vista positivamente e isenta de responsabilidades, e o fracasso escolar – aqui representado pela defasegem idade-série e suas consequências – tem como causa uma família desestruturada e um aluno a quem falta empenho ou interesse.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.20.066.DS09

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat