A iniciação científica no ensino superior

Marcos Jorge, Tiago Santos Telles, Ana Carolina Patrocino

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar um panorama da Iniciação Científica(IC) e do PIBIC nas universidades estaduais do Paraná, focando principalmente a Universidade Estadual de Londrina (UEL), entre 1995 e 2005. Para tanto, a partir dos Anais dos Encontros Anuais de Iniciação Científica (EAIC), é possível observar que a IC se institucionaliza de forma gradual no conjunto das instituições analisadas, e também é significativo o movimento crescente de comunicações apresentadas ao longo do período ao lado de uma relativa instabilidade no número dessas comunicações. Atualmente, as cinco universidades estaduais paranaenses estão fortemente envolvidas com projetos de IC, mas cabe destacar a primazia da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e da UEL.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, N. C. Evolução do custo do aluno das IFES: eficiência? Avaliação, v. 9, n. 1, p. 115-125, 2004.

BAUMANN, Z. Desafios educacionais da modernidade líquida. Revista Tempo Brasileiro, n. 148, p. 41-58, 2002.

BREGLIA, V. L. A. A formação na graduação: contribuições, impactos e

repercussões do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). 2001. 159 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

BRIDI, J. C. A. A Iniciação Científica na formação do universitário. 2004. 135 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas,Campinas, 2004.

CARDOSO, G. P. Programa de Iniciação Científica. Cadernos da ABEM, v. 1,n. 1, p. 17-18, 2004.

CARVALHO, A. R.; ANGELINI, R. Variáveis determinantes do desejo de cursar mestrado de alunos de biologia (UEG, UFG e UNITINS). Avaliação, v. 7, n. 4,p. 193-202, 1996.

CASTRO, A. A. Iniciação Científica: como continuar. In: GOLDENBERG,

S.; GUIMARÃES, C. A.; CASTRO, A. A. Elaboração e Apresentação de

Comunicação Científica. São Paulo: Metodologia, 2002-2007. Disponível em:

. Acesso em: 25 set. 2007.

CATANI, A. M.; OLIVEIRA, J. F. A reestruturação da educação superior no debate internacional: a padronização das políticas de diversificação e diferenciação. Revista Portuguesa de Educação, v. 13, n. 2, p. 29-52, 2000.

CONGRESSO INTERNO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. 14., 2006, Campinas.

Anais... Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2006.

ENCONTRO ANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. 7., 1998, Maringá.

Anais... Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 1998.

ENCONTRO ANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. 8., 1999, Cascavel.

Anais... Cascavel: Universidade Estadual de Oeste do Paraná, 1999.

ENCONTRO ANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. 9., 2000, Londrina.

Anais... Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2000.

ENCONTRO ANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. 15., 2006, Ponta Grossa.

Anais... Ponta Grossa: Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2006.

EVENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. 13., 2005, Curitiba. Anais... Curitiba:Universidade Federal do Paraná, 2005.

FAVA-DE-MORAES, F.; FAVA, M. A Iniciação Científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, 73-77, 2000.

GIANOTTI, J. A. Capitalismo e monopólio do conhecimento. Novos Estudos – CEBRAP, n. 64, 107-120, 2002.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo da educação superior 2006. Disponível

em: . Acesso em: 16 out. 2007.

LOCH, J. M.; REIS, D. R. A expansão do ensino superior: um comparativo do crescimento no Brasil, no Paraná e na região metropolitana de Curitiba. In: World Congress on Engineering and Technology Education. 1., 2004, Santos. Anais... Santos: UniSantos, 2004. p. 1605-1608.

MALDONADO, L. A.; PAIVA, E. V. A Iniciação Científica na graduação

em Nutrição: possibilidades e contribuições para a formação profissional. In:CALAZANS, M. J. C. Iniciação Científica: construindo o pensamento crítico.São Paulo: Cortez, 2002. p. 141-162.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND

DEVELOPMENT (OECD). Relatório de auto-análise da região Norte do

Paraná. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2007.

PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO-PROPLAN. Plano de

Desenvolvimento Institucional - PDI. Disponível em:

proplan;http://www.uem.br>. Acesso em: 15 abr. 2007.

SAMPAIO, H. Ensino superior no Brasil: o setor privado. São Paulo: HUCITEC,2000. SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINOSUPERIOR (SETI). Mapa das IEES. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2007.

SANTOS, C. R. A. Apresentação. In: APPEL, E. A Universidade na encruzilhada – Seminário Universidade: por que e como reformar? Brasília: Unesco, 2003. p. 9-20.

SETTON, M. G. J. Diferenças e semelhanças entre os alunos de Humanidades da USP: vida acadêmica e profissional. Avaliação, v. 8, n. 3, p. 93-132, 2003.

SILVA, R. de C.; CABRERO, R. de C. Iniciação Científica: rumo à pós-graduação. Educação Brasileira, v. 20, n. 40, 189-199, 1998.

SOUZA, S. M. Z.; OLIVEIRA, R. P.; GONÇALVES, N. G. Evasão dos alunos do Programa de pós-graduação da FEUSP: 1990-2000. Avaliação, v. 8, n. 3, p. 191-228, 2001.

TRINDADE, H. H. C. A República em tempos de reforma universitária: os desafios do Governo . Educação & Sociedade, v. 25, n. 88, p. 819-844, 2004.

VELLOSO, J. R.; VELHO, L. M. L. S. Mestrandos e doutorandos no país:

trajetórias de formação. Brasília: CAPES, 2001.

VIANNA, H. M. Avaliação de cursos pelos alunos: considerações. Estudos em Avaliação Educacional, n. 29, p. 137-148, 2004.

VILLAS BÔAS, G. K. Currículo, iniciação científica e evasão de estudantes de Ciências Sociais. Tempo Social, v. 15, n. 1, v. 15, p. 45-62, 2003.

YAMAMOTO, M. E.; FERNANDES JUNIOR, V. J. Bases de pesquisa: a

experiência da UFRN no fomento institucional de pesquisa. In: CALAZANS, M. J. C. Iniciação Científica: construindo o pensamento crítico. São Paulo: Cortez, 2002. p. 161-180.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v10i30.2548

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat