O paradoxo da educação brasileira: uma relação antagônica entre o princípio de realidade e o princípio de desempenho

Adauto Lopes da Silva Filho, Fátima Maria Nobre Lopes

Resumo


O desenvolvimento da sociedade capitalista e tecnológica traz, em seu bojo, um paradoxo: ao mesmo tempo que desenvolve as potencialidades da razão humana, torna essa mesma razão um instrumento de manipulação e de poder. Tomando essas considerações, a partir do pensamento do filósofo Herbert Marcuse, o artigo objetiva demonstrar que esse paradoxo da sociedade, que determina o pensamento e as ações dos indivíduos, afirma-se também na educação brasileira e se expressa na relação antagônica entre o princípio de realidade e o princípio de desempenho amparado pela mais-repressão, pois, ao mesmo tempo que essa  educação defende uma formação democrática, igualitária e cidadã, ela leva os indivíduos à alienação e ao sofrimento ao empreender tal formação com um caráter mercadológico. Apesar desse paradoxo que se instaura na sociedade e, em consequência, na educação, Marcuse defende a possibilidade de romper com a dominação que aí se estabelece, a fim de suprimir a mais-repressão, tendo em vista a aquisição de um princípio de realidade emancipatório.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.18.059.DS02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat