Antecipação e formação: o pensamento utópico e o paradoxo da formação humana

Juliano Peroza

Resumo


Este artigo objetiva apresentar as tensões paradoxais entre o pensamento utópico e a formação humana. Os pressupostos teórico-metodológicos da investigação são a hermenêutica e a pesquisa bibliográfica, com a finalidade de compreender e interpretar esta interrelação entre utopia e formação. Na primeira parte, será apresentada uma discussão histórica e filosófica sobre a utopia e a educação, de modo a demonstrar, desde a antiguidade até a modernidade, algumas concepções de formação intuídas a partir de referenciais do pensamento utópico e que estão nas matrizes do pensamento ocidental, com base nas referências de Platão (2006), Cambi (1999), Jaeger (2010) e More (1997). Na segunda parte se discute sobre os pressupostos epistemológicos do pensamento utópico, compreendido como a visão do “ainda-não-consciente” que dialetiza na história a busca do “já-ainda-não”, com base nas obras de Bloch (2005, 2006). E, por fim, refletiremos sobre o paradoxo da formação humana em diálogo com os referenciais do pensamento utópico Furter (1968; 1977/78). Conclui-se que a formação humana na perspectiva do pensamento utópico revela um paradoxo: a problematização do devir humano no horizonte de uma conclusão-inconclusa.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.18.059.DS01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat