Tensionamentos entre estrutura e ação na sociologia da educação contemporânea: uma leitura comparativa entre Pierre Bourdieu e François Dubet

Thiago Delaíde Das Silva, Rodrigo Marques Leistner

Resumo


O artigo aborda os tensionamentos que concernem à relação sociedade e indivíduo, agência e sistema, estrutura e ação no âmbito da sociologia da educação contemporânea. Para tal empreendimento, e com base numa reflexão de cunho eminentemente teórico, o texto coloca em relevo uma leitura comparativa entre as abordagens de Pierre Bourdieu e François Dubet, visando compreender não apenas o modo como aqueles tensionamentos se resolveram em suas elaborações teóricas, mas, sobretudo, a forma através da qual suas perspectivas — mais estruturais ou acionalistas — contribuíram para a constituição de distintos esquemas de percepção das relações sociais que envolvem os processos educacionais, gerando-se enfoques, temáticas e agendas de pesquisa específicas. Nesses termos, e de modo mais aprofundado, o texto busca averiguar as possíveis contradições, complementaridades e possibilidades de aproximação desses diferentes modelos de análise, evidenciando-se os prováveis ganhos analíticos no cruzamento das perspectivas colocadas em estudo. Como conclusão, sugere-se que a articulação entre o conceito de habitus (de Bourdieu) e a noção de experiência social (Dubet) permita elaborações teóricas mais amplas que ultrapassem as percepções das relações de poder e reprodução das desigualdades nos espaços escolares, possibilitando análises que liguem tais realidades junto à experiência da deliberação e reflexão crítica por parte dos atores sociais mediante um modelo político de educação.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.18.059.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat