Infância e experiência: fragmentos autonarrativos no estudo das culturas infantis

Kelly Werle, Cláudia Ribeiro Bellochio

Resumo


O artigo apresenta como foco de discussão a relação entre infância e experiência por meio de uma aproximação teórica da sociologia da infância (SARMENTO, 2002; 2003; 2007; CORSARO, 2011; QVORTRUP, 2011), com o conceito de experiência e outras obras de Walter Benjamin, tais como “Infância em Berlim por volta de 1900” (1987). Como proposta para esse diálogo, problematizam-se fragmentos autonarrativos de infância vinculados à pesquisa de Werle (2015), através dos quais se evidencia a figura do Narrador e a possibilidade de intercambiar as experiências (BENJAMIN, 1994c), bem como, caracteriza-se a natureza da experiência na infância (BENJAMIN, 1987). Neste contexto, apontam-se para os fragmentos autonarrativos como possibilidade de interlocução de experiências e potência para o estudo e a realização de pesquisas sobre as culturas da infância.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.18.056.AO05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Diálogo Educacional