Escolas como espaçostempos de políticas singulares de currículo e formação

Roberto Sidnei Macedo

Resumo


O artigo em pauta, baseado metodologicamente em argumentos teóricos, experienciais e propositivos, discute como escolas e seus atores instituem cotidianamente políticas e ações curriculares, implicadas a plurais processos formativos. A partir da sua concepção propositiva, apresenta os princípios estruturantes do Observatório de Currículo e Processos Formativos (OCPF), concebido em meio às críticas ao aplicacionismo educacional. De dentro desse contexto crítico, o OCPF é pensado como um mobilizador e realizador de políticas, a partir dos etnométodos dos atores implicados à escola, instituindo com isso possibilidades plurais de reexistências curriculares e formativas. O texto aponta para a possibilidade de o OCPF tornar-se uma fonte generativa de políticas e de experiências singulares e singularizantes de currículo e formação.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.18.059.AO01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Diálogo Educacional