O princípio ético-crítico freireano

Valdir Borges

Resumo


O princípio ético-crítico freireano é uma expressão cunhada e definida pelo filósofo Enrique D. Dussel na construção de sua Ética da libertação. Ele revela que Paulo Freire, mais que um pedagogo é um educador da consciência ético-crítica das vítimas em uma sociedade oprimida na periferia do capitalismo mundial, a América Latina das décadas de 1960 e 1970. Este modo de educar fez história, pois implica uma atitude ética no ato de educar, uma opção transformadora capaz de conduzir o educando a sujeito histórico do referido ato. Aqui se encontra a radicalidade e a originalidade da ética proposta pelo educador Paulo Freire, a partir da razão dos oprimidos.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBU, Z. Psicología de la democracia y de la dictadura. Trad. Noemí Rosenblat. Buenos Aires: Paidós, 1962.

BOFF, L. Prefácio. In: FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. 13. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006. p. 6-8.

BORGES, V. Uma ética pedagógica libertadora para a educação na América Latina nas décadas de 1960 a 1970. 2010. 234 f. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2010.

DUSSEL, E. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2002.

FANON, F. Os condenados da terra. Trad. José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FREIRE, P. Educação e atualidade brasileira. 3.ed. São Paulo: Cortez/IPF, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006a.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 34. ed. São Paulo: Paz e terra, 2006b.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 30. ed. Rio de janeiro: Paz e Terra, 2007.

MEMMI, A. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Trad. Roland Corbisier e Mariza Pinto Coelho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

PAIVA, V. Paulo Freire e o nacionalismo desenvolvimentista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Fortaleza: UFC, 1980.

PENNA, J. O. M. Zebedeu Barbu e o Brasil. Jornal da Tarde, 24 maio 2004. Disponível em: . Acesso em: 21 maio de 2010.

ROMÃO, J. E. Contextualização: Paulo Freire e o pacto populista. In: FREIRE, P. Educação e atualidade brasileira. 3.ed. São Paulo: Cortez; IPF, 2003.

SÁNCHEZ-VÁZQUEZ, A. Ética. Trad. João Dell’Anna. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1980.

SARTRE, J-P. O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Os pensadores).

STRECK, D R. (Org.). Paulo Freire: ética, utopia e educação. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

STRECK, D. R. (Coord). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

VENTORIM, S; PIRES, M. F. C.; OLIVEIRA, E. C. de. (Org.). Paulo Freire: a práxis político-pedagógica do educador. Vitória: Edufes, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.041.AO01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat