Omar Catunda: venturas e desventuras de um passador cultural

Eliene Barbosa Lima

Resumo


Neste artigo, sem nenhuma pretensão biográfica, faço uma análise de alguns elementos que influenciaram o pensamento e as ações de Omar Catunda para desenvolver um sistema educacionalcapaz de elevar a cultura do povo brasileiro, vista por ele, como o único instrumento seguro para transformar o Brasil em uma nação completamente independente, na medida em que alcançaria o progresso material e o espiritual. Para tanto, utilizo majoritariamente a sua autobiografia. Essa análise tem como demarcação inicial a Revolução de 1930, ajuizada pelo jovem Catunda como um marco para a construção de uma nação rumo ao progresso, prolongando-se até 1986, ano da sua morte. Argumento que Catunda buscou semear a alta cultura por meio da educação, mas, ao beber de uma cultura estrangeira, foi estrangeiro em seu próprio país.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto n. 19.851, de 11 de abril de 1931. Estatuto das Universidades Brasileiras. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19851-11-abril-1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 27 jun. 2014.

CATUNDA, O. A posição da matemática na cultura geral. Aula inaugural. In: Anuário da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1945.

CATUNDA, O. Suicídio cultural. A Tarde. Salvador, 13 jan. 1972.

CATUNDA, O. Sobre Cultura e universidades. (Escrito Original), p. 1-13, 1977.

CATUNDA, O. Discurso de formatura. In: Memória autobiográfica.

CATUNDA, O. Memória autobiográfica. Trabalho não publicado, [197-?].

CATUNDA, O. Vento Noroeste. In: Memória autobiográfica. Trabalho não publicado, [197-?].

CATUNDA, O. Interlúdio II. In: Memória autobiográfica. Trabalho não publicado, [197-?].

CATUNDA, O. Discurso de formatura. In: Memória autobiográfica. Trabalho não publicado, [197-?].

CATUNDA, O. Depoimento. In: Cadernos do IFUFBa, v. 8, ano 11, n. 1-2, p. 93-105, 1996.

DIAS, A. L. M. Engenheiros, mulheres, matemáticos: Interesses e disputas na profissionalização da matemática na Bahia, 1896-1968. 2002. 320 f. Tese (Doutorado em História Social) – FFLCH, USP, São Paulo, 2002.

FAUSTO, B. História do Brasil. 4 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/ Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 1996.

FAUSTO, B. (Org.). História geral da civilização brasileira. Tomo III, v. 2: o Brasil Republicano/Sociedade e instituições (1889-1930). 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S.A., 1997.

FREIRE, I. A. A.; DIAS, A. L. M. Seção Científica de Matemática do CECIBA: propostas e atividades para renovação do ensino secundário de matemática (1965-1969). Boleia: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v. 23, n. 35B, p. 363-386, abr. 2010.

FREIRE, I. A. R. A.; LANDO, J. C.; LIMA, E. B. Duas mulheres e uma trajetória: o processo de profissionalização docente e o ensino de matemática na Bahia (1948-1964). In: Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, ago. 2010, São Luís. Anais... São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2010.

FREYRE, G. Bahia e Baianos, Salvador: Fundação das Artes; EGBA, 1990.

FREYRE, G. Interpretação do Brasil. Aspectos da Formação Social Brasileira como Processo de Amalgamento de Raças e Culturas. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

GREJO, C. B. Carlos Octavo Bunge e José Ingenieros entre o científico e o político: pensamento racial e identidade nacional na Argentina (1880 1920). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2014.

LIMA, E. B. Dos infinitésimos aos limites: a contribuição de Omar Catunda na modernização da análise moderna no Brasil. 2006. 145f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) — IF, UFBa/UEFS, Salvador, 2006.

PALLARES-BURKE, M. L. G. Gilberto Freyre: um vitoriano dos trópicos. São Paulo: UNESP, 2005.

ROMANELLI, O. O. História da Educação no Brasil (1930/1973). 26. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

SAMPAIO, C. N. Poder e Representação. O Legislativo da Bahia na Segunda Republica, 1930-1937. Salvador: Assembléia Legislativa da Bahia, 1992.

TAVARES, L. H. D. História da Bahia. São Paulo: UNESP; Salvador: Edufba, 2001.

VIDAL, D. G. 80 anos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: questões para debate. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 577-588, jul./set, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.048.DS09

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat