Manifestações de protesto nas ruas no Brasil a partir de Junho de 2013: novíssimos sujeitos em cena

Maria da Glória Marcondes Gohn

Resumo


Este artigo analisa as especificidades e novidades presentes nas manifestações públicas em ruas e praças no Brasil a partir de Junho de 2013, do ponto de vista dos sujeitos participantes, segundo suas práticas, ideologias, utopias motivadoras, repertórios das ações, espaços / tempos de ocorrência, e impactos na sociedade e no governo. No início, contextualiza-se historicamente as manifestações, busca-se explicitar categorias centrais na temática tais como, povo, massa e multidão, assim como aborda as diferentes denominações que os novíssimos sujeitos em cena obtiveram, dados pela mídia ou por analistas. As demandas, objetivos e estratégias dos manifestantes são analisados no contexto de protestos sociais que tem a indignação como núcleo articulador. Destacam-se as manifestações de Junho de 2013 e a de Março de 2015. A fonte dos dados advém de arquivos sistematizados via diferentes mídias, entrevistas e pesquisa de observação direta em algumas das manifestações. Nas conclusões destaca-se o fato das manifestações inaugurarem um ciclo de lutas sociais com significados novos; de construírem novas lógicas às ações coletivas em espaços públicos, organizadas pelo ativismo digital no ciberespaço; e de serem fontes de aprendizagens, ensinamentos e produção de novos saberes, especialmente entre os jovens.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Indústria Cultural e Sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ALBERONI, F. Gênese. Como se criam os mitos e as instituições da civilização

ocidental. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

BOURDIEU, P. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

BRANT, M. C. (Org). Teorias da ação em debate. São Paulo: Cortez, 1993.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União,

Brasília, DF, 05 out.1988. p.1 (Anexo). Disponível em:

gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm>. Acesso em: 22 jan. 2015.

CANETTI, E. Crowds and Power. N. York: Farrar, Strauss, Giroux. 1984

CASTELLS, M. Simpatia do brasileiro é um mito, diz sociólogo Manuel Casttels.

Folha de São Paulo, 18 maio 2015, p. A12.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

DELLA PORTA, D.; TARROW, S. Introduction: transnational processes and social activism: an introduction. In: DELLA PORTA, D.; TARROW, S. Transnational protest and global activism (Orgs). London: Rowman& Littlefield Public, 2005. p. 1 -17.

GUATTARI, F. As 3 Ecologias. Campinas: Papirus, 1990.

GOHN, M. G. Sociologia dos Movimentos Sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez Ed, 2014.

GOHN, M G. Manifestações de Junho de 2013 no Brasil e Praças dos Indignados no Mundo. Petrópolis: Vozes, 2014

GOHN, M. G. (Org). Educação não formal no campo das artes. São Paulo: Cortez Edit, 2015a.

GOHN, M. G. Os protestos recentes no Brasil: 2013-2015. ISA. Fórum de

Sociologia. 2015b. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2015.

HESSEL, S. Indignai-vos! 3. ed. Lisboa: Ed Objectiva, 2011.

LE BON, G. The Crowd. N.York: Viking, 1985.

MARTINS, J. S. Sujeito Multidão. Estado de São Paulo, 22 mar. 2015. Caderno Aliás, p. E3. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

MICHELET, J. O povo. São Paulo: Martins Fontes, 1988

MELUCCI, A. Challenging codes. Cambridge: Cambridge Um.Press, 1996

MOORE JR, B. Injustiça: as bases Sociais da obediencia e da revolta. São Paulo:Brasiliense, 1987.

MORIN, E. Cultura de massas no século XX: neurose. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

NEGRI, A.; HARDT, M. Multidão. Rio de Janeiro: Record, 2005

NOGUEIRA, M. A. Incandescência e desorientação. Estado de São Paulo, São

Paulo, 29 mar. 2015, p. A2. Disponível em:

geral,incandescencia-e-desorientacao-imp-,1659622>. Acesso em: 15 out.

SENNET, R. Juntos. Os rituais, os prazeres e a política da cooperação. Rio/São Paulo, Record, 2012.

TOURAINE, A. Um noveau paradigme. Paris: Fayard, 2005.

WEFFORT, F. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.047.DS06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat