Justiça social e modelos de educação: para uma escola justa e de qualidade

Carlos V. Estêvão

Resumo


O autor começa por caracterizar a justiça social nos tempos de hoje, enquadrando-a num registo de anormalidade, tendo presente não apenas a sua dimensão teórica plural, mas também o plano da normatividade. A seguir, e depois de apresentar três modelos de educação: o do capital humano, o dos direitos humanos e o da justiça social, o autor detém-se de modo particular neste último, salientando algumas das suas virtualidades e implicações em termos de qualidade educativa. Porém, e não obstante a relevância deste enquadramento, este trabalho sugere outros modos de ver a justiça e a qualidade na escola, resultantes de outras racionalidades que perpassam a realidade escolar e que vão exigir uma maior atenção ao modo como poderá construir-se uma escola justa e de qualidade no mundo atual.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Vida para consumo. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2008.

BOLTANSKI , L.; THÉVENOT, L. De la justification. Les économies de la grandeur. Paris: Gallimard, 1991.

BOLTANSKI L.; CHIAPELLO, E. Le nouvel esprit du capitalisme. Paris: Gallimard, 1999.

DUBET, F. L'école des chances: qu'est-ce qu'une école juste? Paris: Le Seuil, la République des Idées, 2004.

ESTÊVÃO, C. V. Justiça e educação. S. Paulo: Cortez Editora, 2001.

ESTÊVÃO, C. V. Educação, justiça e democracia. São Paulo: Cortez, 2004.

ESTÊVÃO, C. V. Políticas e valores em educação: repensar a educação e a escola pública como um direito. Vila Nova de Famalicão, Pt: Húmus, 2012.

ESTÊVÃO, C. V. Direitos humanos, justiça e educação. Uma análise crítica das suas relações complexas em tempos anormais. Ijuí: Editora Unijuí, 2015.

ESTÊVÃO, C. V. A qualidade da educação: suas implicações na política e na gestão pedagógica. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 29, n. 1, Jan/Abril, p. 15-26, 2013.

ESTÊVÃO, C. V. Justiça social e educação: das denúncias aos anúncios. In ENS, R. T. B. L. (orgs.). Educação e justiça social. Ijuí: Editora Unijuí, p. 25-46, 2015a.

ESTÊVÃO, C. V. Tempos anormais e novas fantasias. Novas tendências em direitos humanos, justiça e educação. Revista Portuguesa de Educação, vol. 28, nº 2, Braga, 2015b.

FRASER, N. Justiça anormal. Revista da Faculdade de Direito da universidade de S. Paulo, v. 108, jan./dez. 2013, p. 739-768.

FRASER, N. Justice interruptus: critical reflections on the ‘postsocialist’ condition. New York: Routledge, 1997.

FRASER, N. Scales of justice: reimagining political space in a globalizing world. Cambridge: Polity, 2009.

GENTILI, P. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In T. T. da SILVA; P. GENTILI (Orgs.). Escola S. A. Brasília: CNTE, p. 9-49, 1996.

RAWLS, J. Uma teoria da justiça. Lisboa: Presença, 1993.

ROBEYNS, I. The capability approach: a theoretical survey. Journal of Human Development, vol. 6, no. 1, March, 2005.

SANDEL, M. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira, 2011.

SEN, A. O desenvolvimento como liberdade. Lisboa: Gradiva, 2003.

SEN, A. The idea of justice. London: Penguin Books, 2009.

STEINER, H. An essay on rights. Oxford: Blackell, 1994.

TIKLY, L. & BARRETT. Social justice, capabilities and the quality of education

in low income countries, EdQual Working Paper, nº 18, September, University of Bristol, 2009, p. 1-29.

TIKLY, L. & BARRETT, A. Social justice, capabilities and the quality of education in low income countries. International Journal of Educational Development, 31, p. 3-14, 2001.

WALZER, M. As esferas da justiça. Lisboa: Presença, 1999 .




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.047.DS02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat