NIETZSCHE E SADE: A PARÓDIA COMO ESTRATÉGIA LITERÁRIA NÔMADE

Jorge Luiz Viesenteiner

Resumo


O texto tem por objetivo explorar a paródia enquanto estratégia literária
nômade tanto em Nietzsche quanto em Sade. O primeiro movimento
do texto explica em que medida a paródia é associada a uma estrutura
literária “carnavalesca”, essencialmente subversiva, cuja “festa profana”
traz um cortejo de apologias às máscaras, textualmente expressa num
jogo que oculta e revela ao mesmo tempo. O segundo movimento do
texto analisa o estilo literário paródico como aquele que exerce
fundamental função político-social, pois uma vez que se trata de
paródia subversiva, os textos exercem uma crítica corrosiva às estruturas culturais de suas respectivas épocas. Ora, é precisamente essa subversão paródica que torna tanto Nietzsche quanto Sade a má
consciência do tempo: autênticos criadores.


Texto completo:

PDF

Referências


DELEUZE, G.; PARNET; Claire. Diálogos. Tradução de Eloísa A. Ribeiro. São Paulo, SP: Escuta, 1998.

______. Pensamento nômade. In: MARTON, S. Nietzsche hoje? São Paulo, SP: Brasiliense, 1985.

FERRAZ, Maria C.F. Nietzsche: filosofia e paródia. In: BARRENECHEA,

Miguel Angel de; PIMENTA NETO, Olímpio José (Orgs). Assim falou

Nietzsche. Rio de Janeiro,RJ: Sette Letras, 1999.

HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento. Tradução de Guido

de Almeida. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 1985.

KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. Tradução de Lúcia H. F. Ferraz. São Paulo, SP: Perspectiva, 1974.

NIETZSCHE, F. Kritische Studienausgabe. Organizado por Giorgio Colli e Mazzino Montinari. Berlin: Walter de Gruyter, 1980.

______. A filosofia na idade trágica dos gregos. Tradução de Maria

I.V. de Andrade. Lisboa: Edições 70, 1987.

______. A Gaia Ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2001.

______. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução de Mario da Silva. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 1998a.

______. Além do bem e do mal. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1998b.

______. Genealogia da Moral. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1998c.

______. Crepúsculo de los ídolos. Tradução de Andrés Sánchez Pascual. Madrid: Alianza, 1973.

PESSOA, F. Livro do desassossego. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1999.

ROUSSEAU, J-J. Discurso sobre as ciências e as artes. In: Os Pensadores. São Paulo, SP: Abril, 1973.

SADE, M. Diálogo entre um padre e um moribundo. Tradução de

Alain François e Contador Borges. São Paulo, SP: Iluminuras, 2001.

______. Justine ou os infortúnios da virtude. Tradução de Edmond

Jorge. Rio de Janeiro, RJ: Entrelivros, [19-].

______. A filosofia na alcova. Tradução de Contador Borges. São Paulo, SP: Iluminuras, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v18i23.8582

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.