FILOSOFIA COMO CIÊNCIA OU CULTURA PÓS-FILOSÓFICA: AS CONTENDAS ENTRE O PRAGMATISMO E O NEOPRAGMATISMO

Edna Magalhães do Nascimento

Resumo


Com a publicação da obra "Philosophy and the Mirror of Nature" ("Filosofia e os Espelho da Natureza"), Rorty passa a ser criticado pelos intérpretes do pragmatismo clássico e comentadores de John Dewey. Estes críticos consideram que enquanto o pragmatismo clássico é uma tentativa de entender e criar uma estrutura nova que legitime a investigação científica, o pragmatismo de Rorty se afirma como um abandono da própria tentativa de aprender mais sobre a natureza e sobre as condições de adequação da investigação. Dewey nunca virou totalmente as costas à metafísica, que está presente particularmente em "Experience and Nature". Contudo, Rorty pretende encontrar em Dewey uma antecipação de sua própria visão de filosofia. Dessa maneira, deliberadamente, Rorty separa o Dewey “bom” do “mau” e considera inadequada a publicação de livro de Dewey "Experience and Nature". Nesse artigo, vamos nos concentrar nas críticas formuladas por Thelma Lavine, James Gouinlock e David Hall sobre a pertinência de falarmos em continuidade do pragmatismo no neopragmatismo de Rorty. Esta escolha teve como critério a maneira como esses autores se esforçam para recuperar a originalidade do pensamento do pragmatista pioneiro, não aceitando, sobretudo, uma interpretação que não reconheça na obra dele uma dimensão simultaneamente metafísica e epistêmica. Por fim, apresentamos a nossa interpretação que consiste em considerar que o Dewey de Rorty não é uma boa hipótese porque nega a dimensão cientista do pragmatista clássico e superdimensiona seu historicismo, deixando de considerar que o pragmatismo deweyano tem uma dimensão historicista e cientista ao mesmo tempo e sua metafísica é distinta das metafísicas clássicas, segundo a qual conceituo de metafísica empírica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDER, T. M. Richard Rorty and Dewey’s metaphysics of experience. Southwest Philosophical Studies, v. 5, p. 24-35, 1980.

CAMPBELL, J. Rorty’s use of Dewey. Southern Journal of Philosophy, v. 22, p. 175-287, 1984.

DEWEY, J. Logic: the theory of inquiry. In: DEWEY, J. Later works. Carbondale: Southern Illinois University Press; London: Feff er & Simons, 1986. v. 12. Originalmente publicado em 1938.

DEWEY, J. Experience and Nature. New York: Dover Publications, 1958.

GOUINLOCK, J. What is legacy of instrumentalism? Rorty interpretation of Dewey. In: SAATKAMP Jr., H. J. Rorty & pragmatism: the philosopher responds to his critics. Nashville: Vanderbilt University Press, 1995.

HAACK, S. Vulgar pragmatism: an unedifying prospect. In: SAATKAMP Jr., H. J. Rorty & pragmatism: the philosopher responds to his critics. Nashville: Vanderbilt University Press, 1995.

HALL, D. L. Richard Rorty: prophet and poet of the new pragmatism. Albany: State University of New York Press, 1994.

LAVINE, T. Z. America and contestations of modernity: Bentley, Dewey, Rorty. In: SAATKAMP Jr., H. J. Rorty & pragmatism: the philosopher responds to his critics. Nashville: Vanderbilt University Press, 1995.

MALACHOWSKI, A. Richard Rorty. London; Thousand Oaks: Sage, 2002.

RAMBERG, B. Richard Rorty. Stanford Encyclopedia of Philosophy. 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2007.

RORTY, R. Philosophy and the mirror of nature. Princeton: Princeton University Press, 1979.

SLEEPER. R. W. The necessity of pragmatism: John Dewey’s conception of philosophy. New Haven: Yale University Press, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.26.038.AO.12

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.