A POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A ESCOLA BÁSICA NO BRASIL: NOVOS RUMOS, NOVA PRÁTICA?

Maria Amélia Sabbag Zainko, Maria Lúcia Accioly T. Pinto, Maria Odette de Pauli Bettega

Resumo


O presente texto configura-se como um exercício de reflexão sobre a prática de formação de professores para a escola básica no Brasil, no momento em que são repensados os Cursos de Pedagogia, as licenciaturas, a partir das indicações de novos parâmetros e diretrizes curriculares. Tendo como objetivo preparar um profissional crítico e reflexivo, propõe-se um processo permanente de formação/capacitação que possibilite a compreensão das demandas do tempo presente e que aproxime as universidades e demais agências formadoras dos interesses e necessidades da sociedade. Com base na reflexão (princípio formativo), na interação (princípio mediador) e na avaliação (princípio fomentador), o processo que se vislumbra contempla uma nova ótica curricular onde a linearidade é substituída pela multi e interdisciplinariedade. Os conteúdos apresentam-se como temas integrados em eixos norteadores componentes de três núcleos básicos: contextualização do processo pedagógico (eixos Sociedade, Instituição e Profissão), construção/apropriação do saber escolar (eixos Infância, Saber escolar e Relação saber escolar/professor/aluno) e interação teoria e prática (eixo Construção da competência docente). Como exercício de pensar contribui para o debate sobre a formação do professor e deverá subsidiar as discussões sobre as novas políticas educacionais suscitadas pela LDBEN e pelos movimentos de construção teórica no campo da Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, I. (Org.). Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto: Porto Ed., 1996.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação institucional: marcos teóricos e políticos. Avaliação, Campinas, SP, ano, n. 1, jul, 1996.

ELIAS, M. Del C. e FELDMANN, M. G. In: FAZENDA, I. Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez, 1999.

FAZENDA, I. C. A. (Org.). Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez, 1999.

GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. Arrancar o véu. Graduação em debate nº 1, UFPR, Curitiba, 1994.

PERRENOUD, P. La formation dês enseignants entre théorie et pratique.

Paris: L’Harmattan, 1994.

__________. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

PERRENOUD, P. Novas competências para Ensinar. Porto Alegre, Artes Médicas Sul, 2000.

PIMENTA, S. G. Formação de professores – saberes da docência e identidade do professor. Revista da Faculdade de Educação de São Paulo, SP, v.22, n. 2, p. 72-89, jul/dez, 1996.

________. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

RISTOFF, D. Princípios do programa de avaliação institucional. Revista Avaliação, Campinas, SP, ano 1, n. 1, jul., 1996.

SCHÖN, Donald. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, Antonio (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

ZAINKO, M. A. S, et al. A avaliação institucional na UFPR: a trajetória de uma década 1987-1997. Curitiba, UFPR, 1998.

ZEICHNER, V. Estratégias alternativas para mejorar la calidad de la reforma de la Formación del profesor: tendencias actuales en Estados Unidos. In: VILLA, A. (Coord.). Perspectivas y problemas de la función docente. Madrid: Narcea, 1988.




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v2i4.3853

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat