UMA INVERSÃO DIDÁTICA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Lilian Anna Wachowicz

Resumo


Nosso estudo apresenta a formação continuada de professores como uma das possibilidades do ensino em nível de Pós-Graduação, tomando na forma de exemplaridade o Programa de Desenvolvimento Educacional do Paraná – PDE, que é de formação continuada para professores em exercício e pertencentes ao quadro de magistério do Estado. Os professores PDE não são inseridos em cursos de pós-graduação lato ou stricto sensu. Cursam disciplinas ofertadas em nível de graduação, dentre outras atividades de inserção acadêmica. O que nos leva a exemplificar que a formação continuada pelo PDE são os princípios pedagógicos, de gestão e didáticos, que representam a nosso ver uma inversão didática sendo esta uma das condições favoráveis à transformação da prática profissional, talvez a mais importante. Com base em Bachelard, por sua epistemologia histórica; Habermas, por sua teoria da ação comunicativa; e Vygotsky, pela categoria de mediação na sua teoria de aprendizagem, nossa proposição de inversão didática pretende priorizar a vivência dos atores sociais na educação escolar, como sendo o ponto de partida e de chegada da reflexão coletiva, com a orientação das universidades conveniadas.

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. Le nouvel esprit scientifique. 3. ed. Paris: PUF, 1966.

BARBOSA, Elyana; BULCÃO, Marly. Bachelard: pedagogia da razão, pedagogia da imaginação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis, RJ: Vozes, 1973.

BRASIL. Leis e decretos federais. In: PARANÁ, SEED/CEE. Edição atualizada até março de 2008. Curitiba: SEED/CEE, 2008.

BOSI, Alfredo. A dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

COHN, Gabriel. A teoria da ação em Habermas. In: CARVALHO, Maria do Carmo Brandt (Org.). Teorias da ação em debate. São Paulo: Cortez; FAPESP: Instituto de Estudos Especiais, PUC-SP, 1993.

CORTINA, Adela. Crítica y utopía: la escuela de Francfort. Madrid: Cincel, 1985.

ESTEVE, José Manuel. O mal - estar docente. A sala de aula e a saúde dos professores. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

GODELIER, Maurice. Economias e sociedades: abordagens funcionalista, estruturalista e marxista. In: CARVALHO, Edgard Assis (Org.). Antropologia econômica. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas Ltda, 1978.

HABERMAS, Jürgen. Teoría de la acción comunicativa. Madrid: Taurus, 1988.

MARTINS, Pura Lúcia Oliver. As formas e práticas de interação entre professores e alunos. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Lições de didática. Campinas: Papirus, 2006. p. 75-100.

______. Didática teórica/ didática prática: para além do confronto. São Paulo: Loyola, 1989.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2000.

PARANÁ. Lei Complementar nº 103, de 15 de março de 2004, no Decreto nº 4482/2005 e no Decreto nº 3149/2004. Diário Oficial, Secretaria de Estado da Educação, n. 4341/2007, 17 out. 2007.

PARANÁ. Decreto n.º 4482, de 14 de março de 2005. Diário Oficial, Secretaria de Estado da Educação, n. 2007/05, 21 jul. 2005.

PARANÁ. SEED. Resoluções do secretário de estado da educação, junho de 2007. Curitiba: SEED, 2007.

PARANÁ. SUED/SEED. Instruções normativas da Superintendência de Educação, março de 2008. Curitiba: SEED, 2008.

SOUZA, Ana Maria Martins; DEPRESBITERIS, Léa; MACHADO, Osny Telles Marcondes. A mediação como princípio educacional: bases teóricas das abordagens de REUVEN FEUERSTEIN. São Paulo: SENAC São Paulo, 2004.

VÁSQUEZ, Adolfo Sánchez. Filosofia da práxis. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

WACHOWICZ, Lílian Anna. As tensões dialéticas na educação. In: WACHOWICZ, Lílian Anna (Org.). A interdisciplinaridade na Universidade. Curitiba: Champagnat, 1998. p. 111-125.




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v9i26.3646

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat