ATIVIDADE ORIENTADORA DE ENSINO: UNIDADE ENTRE ENSINO E APRENDIZAGEM

Manoel Oriosvaldo de Moura, Elaine Sampaio Araújo, Vanessa Dias Moretti, Maria Lúcia Panossian, Flávia Dias Ribeiro

Resumo


O artigo discute como o conceito de Atividade, compreendido como unidade de análise do desenvolvimento humano, pode fundamentar o trabalho do professor na organização do ensino, de acordo com os pressupostos teórico-metodológicos da psicologia histórico-cultural. Para isso, aborda os processos de apropriação da cultura humana e o papel do trabalho coletivo na constituição dos sujeitos, destacando a atividade de ensino como um modo de realização da educação escolar. Nesse sentido, o texto apresenta e discute as potencialidades do conceito de Atividade Orientadora de Ensino (AOE) que, ao ser planejada e desenvolvida a partir dos elementos da Atividade - necessidade, motivos, objetivos, ações e operações, possibilita o desenvolvimento do psiquismo dos sujeitos que a realizam. A qualidade de mediação da Atividade Orientadora de Ensino se evidencia ao possibilitar que o sujeito singular se aproprie da experiência humana genérica na direção do pensamento teórico.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, E. S. Da formação e do formar-se: a atividade de aprendizagem docente em uma escola pública. 2003. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

BOGOYAVLENSKY, D. N.; MENCHINSKAYA, N. A. Relação entre aprendizagem e desenvolvimento psicointelectual da criança em idade escolar. In: LEONTIEV, A. et al. Psicologia e pedagogia I: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. São Paulo. Centauro: 2003. p. 37-58.

CEDRO, W. L. O espaço de aprendizagem e a atividade ensino: o clube de Matemática. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

DAVIDOV, V.; MARKOVA, A. La concepcion de la actividad de estudio de los escolares. In: DAVIDOV, V.; SHUARE, M. La psicología evolutiva y pedagógica en la URSS: antología. Moscú: Editorial Progreso, 1987. p. 316- 336.

DAVYDOV, V. Tipos de generalizacion en la ensenanza. Havana: Pueblo y Educacion, 1982.

______. La ensenanza escolar y el desarrollo psíquico. Moscou: Progreso, 1988.

ITELSON, L. B. Esencia del aprendizaje y bases psicologicas de la ensenanza. In: PETROVSKY, A. V. Psicologia evolutiva e pedagógica. Moscou: Progresso, 1979, p. 205-240.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. (Coleção Perspectivas do homem). Atividade orientadora de ensino

KUZMINA, N. Ensayo sobre la psicologia de la actividad del maestro. Tradução de Rosário Bilbao Crespo. Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1987.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Moraes, 1978.

______. Actividad, conciencia, personalidad. 2. ed. Havana: Pueblo y Educacion, 1983.

______. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKI, L. S.;

LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 5. ed. São Paulo: Ícone, 1994.

LOPES, A. R. L. V. A aprendizagem docente no estágio compartilhado. 2004. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Grijalbo, 1977.

MORAES, S. P. G. de. Avaliação do processo e ensino e aprendizagem em matemática: contribuições da teoria histórico-cultural. 2008. Tese

(Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São

Paulo: São Paulo, 2008.

MORETTI, V. D. Professores de matemática em atividade de ensino: uma perspectiva histórico-cultural para a formação docente. 2007. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

MOURA, M. O. de. (Coord.). Controle da variação de quantidades: atividades de ensino. São Paulo, Universidade de São Paulo, 1996.

______. A atividade de ensino como ação formadora. In: CASTRO, A. D.; CARVALHO, A. M. P. de. (Org.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira Thompson, 2002.

MOURA, M. O. de; LANNER de MOURA, A. R. Escola: um espaço cultural. Matemática na educação infantil: conhecer, (re)criar - um modo de lidar com as dimensões do mundo. São Paulo: Diadema/SECEL, 1998.

POLIVANOVA, N. Particularidades da solução de um problema combinatório por estudantes em atuação de cooperação. In: GARNIER, C.;

BEDNARZ, N.; ULANOVSKAYA, I. Após Vygotsky e Piaget: perspectivas social e construtivista. escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 151-159.

RUBTSOV, V. A atividade de aprendizado e os problemas referentes à formação do pensamento teórico dos escolares. In: GARNIER, C. et al. (Org.). Após Vygotsky e Piaget: perspectivas social e construtivista escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

SERRÃO, M. I. B. Aprender a ensinar: a aprendizagem do ensino no curso de Pedagogia sob o enfoque histórico-cultural. São Paulo: Cortez, 2006.

SFORNI, M. S. Aprendizagem conceitual e organização do ensino: contribuições da Teoria da Atividade. Araraquara: JM, 2004.

SOUSA, M. C. Quando professores têm a oportunidade de elaborar atividades de ensino de matemática na perspectiva lógico-histórica. Bolema, Rio Claro, ano 22, n. 32, p. 83-99, 2009.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas IV. Madrid: Visor, 1996.

______. Obras escogidas V. Madrid: Visor, 1997.

______. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v10i29.3094

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat