Sobre algumas contradições da forma escolar

Marcos Villela Pereira

Resumo


Este trabalho visa a colocar em questão algumas contradições que aparecem na forma escolar de um modo geral e, em particular, no fenômeno da educação brasileira contemporânea. São elas: que o direito à educação converteu-se na escolarização obrigatória, transformando o que era uma reivindicação política em uma condição compulsória, cuja desobediência é punível pela lei; e que esse modelo de educação-para-todos vem contribuindo para modelar a escola como uma “instituição total”. Pautado no resgate histórico de alguns ideais iluministas e da evolução do capitalismo contemporâneo, o artigo chega à atual realidade brasileira com o intuito de especular alguns modos de funcionamento da escola como instituição que busca emancipar e, ao mesmo tempo, controlar.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2009.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente, e da outras providencias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 16 jul. 1900. p. 13563. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2009.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. p. 27833. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2009.

BRASIL. Decreto n. 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do plano de metas compromisso todos pela educação, pela união federal, em regime de colaboração com municípios, distrito federal e estados, e a participação das famílias e da comunidade, mediante programas e ações de assistência técnica e financeira, visando a mobilização social pela melhoria da qualidade da educação básica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 24 abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2009.

FERNANDES, F. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus, 1966.

FOUCAULT, M. Crítica y Aufklärung [Qu’est-ce que la Critique?]. Revista de Filosofia ULA, v. 8, p. 5-30, 1995. Disponível em: . Access in: 18 dez. 2009.

FREITAG, B. Escola, estado e sociedade. 6. ed. São Paulo: Moraes, 1986.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

KANT, I. Sobre a pedagogia. Piracicaba: Ed. UNIMEP, 1996.

SANTOS, B. de S. Por uma concepção multicultural de direitos humanos. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 30, p. 105-124, 1997.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M. de; EVANGELISTA, O. Política

educacional. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004




DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v10i31.2659

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat