Sociedade civil e sociedade política na formação stricto sensu de professores da educação básica: correlações de forças

Dayse Kelly Barreiros de Oliveira, Fabiana Margarita Gomes Lagar, Kátia Augusta Curado Pinheiro Cordeiro da Silva

Resumo


O artigo busca compreender, com base no pensamento de Antonio Gramsci, a relação e as contradições existentes entre sociedade civil e sociedade política no que se refere ao entendimento da pós-graduação stricto sensu como possibilidade de formação continuada de professores da educação básica. Para tanto, foram realizadas pesquisa bibliográfica, para a exploração de conceitos gramscianos que auxiliem na compreensão do objeto, e entrevistas semiestruturadas com representantes de entidades/instituições ligadas à formação de professores e à pós-graduação. Desse modo, observa-se que há conflitos entre os dois polos da superestrutura, pois os mecanismos que representam a sociedade política entendem que a formação continuada no nível stricto sensu precisa caminhar na direção pragmatista e num formato flexível, a distância. Por outro lado, as entidades da sociedade civil, representativas da formação, entendem que tal formação precisa ser estruturada como política, com condições concretas, rigor teórico, científico e metodológico, independente do formato, o que garante a práxis. Tais manifestações permitem concluir que não há unidade entre sociedade civil e sociedade política quanto à formação docente na educação básica, o que provoca políticas públicas fragmentadas e descontínuas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.7213/1981-416X.20.067.AO04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat