Visualidade, arte e matemática: deslocamentos na formação de professores

Débora Regina Wagne, Cláudia Regina Flores

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar algumas análises preliminares acerca de uma pesquisa de doutorado em desenvolvimento, cujo propósito é movimentar visualidades docentes por meio da relação matemática e arte em oficinas de formação de professores. Para tanto, foram realizadas 4 oficinas propostas num curso de formação voltado para professores que ensinam matemática. As oficinas foram elaboradas baseando-se nos conceitos de dispositivo pedagógico e experiência formativa. Para análise opera-se com os conceitos de visualidade,discurso e enunciado. Particularmente, apresenta-se aqui um ensaio baseado na primeira oficina e suas análises. Disto, decorre que um discurso matemático, ligado a simetria, proporcionalidade, ordem, realidade, perfeição, beleza, organização, permeia o olhar dos professores. De outro modo, tais discursos produzem formas particulares de subjetivação. Tudo isso, conduz ao entendimento de que uma formação docente que leva em conta experiências formativas pode produzir novos sentidos para a educação matemática.

Texto completo:

PDF

Referências


FLORES, C. R. Olhar, saber, representar: sobre a representação em perspectiva. São Paulo: Musa Editora, 2007.

FLORES, C. R. Cultura Visual, Visualidade, Visualização Matemática: balanço provisório, propostas cautelares. Revista Zetetiké, Unicamp, v. 18, p. 277-300, 2010.

FLORES, C. R. Visuality and mathematical visualization: seeking new frontiers. In: 12th International Congress on Mathematica Education, 8 July – 15 July, Seoul, Korea, 2012.

FLORES, C. R. Visualidade e Visualização Matemática: Novas Fronteiras para a Educação Matemática. In: FLORES, C. R.; CASSIANI, S. (Orgs.). Tendências Contemporâneas nas Pesquisas em Educação Matemática e Científica: sobre linguagens

e práticas culturais. Campinas: Mercado de Letras, 2013.

FOUCAULT, M. A arqueologia do Saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

LARROSA, J. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, T. T. (Org.). O sujeito da educação. 1ª ed . Petrópolis: Vozes, 1994. p. 35-86.

LEITE, C. D. P. Infância, experiência e tempo. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

MARQUES, W. Poder e enunciado: o PT no discurso de Veja. MARQUES, W.; CONTI, M. A.; FERNANDES, C. A. (Orgs). In: Michel Foucault e o Discurso: aportes teóricos e metodológicos. Uberlândia: EDUFU, 2013. p. 217-237.

NAVARRO, P.; SARGENTINI, V. Michel Foucault e os domínios da linguagem discurso, poder, subjetividade. São Carlos: Claraluz, 2004. p.97-130.

PRADO FILHO, K. Michel Foucault: historiador do pensamento. MARQUES, W.; CONTI, M. A.; FERNANDES, C. A. (Orgs.). In: Michel Foucault e o Discurso: aportes teóricos e metodológicos. Uberlândia: EDUFU, 2013, p. 87-98.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.048.DS10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat