Pronatec como procedimento de in/exclusão da governamentalidade neoliberal

Maria Izabel Costa da Silva, Ana Paula Figueiredo Louzada

Resumo


Este artigo apresenta parte de uma pesquisa que teve como objetivo analisar o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e sua operacionalização em um campus do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES). O artigo objetiva problematizar a perspectiva de inclusão social e produtiva presentes no referido programa governamental para públicos ditos em “situação de vulnerabilidade e risco social”. Os dados da oferta do programa demonstram a predominância de cursos de qualificação profissional e desvinculados da escolarização destinados a essa população. Com base nos dados, juntamente com o estudo da legislação e de autores(as) como Foucault (2008a) e Veiga-Neto e Lopes (2007, 2011), entre outros(as), e entrevistas com profissionais atuantes no programa, consideramos que a concepção de inclusão presente no Pronatec atualiza princípios de uma racionalidade neoliberal, caracterizando-se como procedimento de gestão da pobreza, de individualização dos problemas sociais, de negação do direito à educação para jovens e adultas(os) e de fortalecimento do mercado de formação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. Neodesenvolvimentismo e Estado neoliberal no Brasil. Blog da Boitempo, dez. 2013. Disponível em:

e-estado-neoliberal-no-brasil>. Acesso em: 13 dez. 2014.

BOITO, A. As bases políticas do neodesenvolvimentismo. In: FÓRUM ECONÔMICO DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, São Paulo, 2012. p. 15. Disponível em:

Desenv%20BR%20-%20Boito%20-%20Bases%20Pol%20Neodesenv%20-%20 PAPER.pdf>. Acesso em: 13 dez. 2014.

BRASIL. Exposição de Motivos Interministerial n. 19, de 28 de abril de 2011. 2011a.

Disponível em:

?idProposicao=500080> Acesso em: 15 maio 2012.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Orientações

técnicas: Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS.

Brasília, DF: Secretaria Nacional de Assistência Social, 2011b.

BRASIL. Lei n. 12.513, de 26 de outubro de 2011. Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec); altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial e institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), n. 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a organização da Seguridade Social e institui Plano de Custeio, n. 10.260, de 12 de julho de 2001, que dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior, e n. 11.129, de 30 de junho de 2005, que institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (ProJovem); e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 out. 2011c. Disponível em:

lei/l12513.htm>. Acesso em: 21 jan. 2015.

BRASIL. Lei n. 12.816, de 5 de junho de 2013. Altera as Leis n. 12.513, de 26 de outubro de 2011, para ampliar o rol de beneficiários e ofertantes da Bolsa- Formação Estudante, no âmbito do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego – PRONATEC; 9.250, de 26 de dezembro de 1995, para estabelecer que as bolsas recebidas pelos servidores das redes públicas de educação profissional, científica e tecnológica, no âmbito do Pronatec, não caracterizam contraprestação de serviços nem vantagem para o doador, para efeito do imposto sobre a renda; 8.212, de 24 de julho de 1991, para alterar as condições de incidência da contribuição previdenciária sobre planos educacionais e bolsas de estudo; e 6.687, de 17 de setembro de 1979, para permitir que a Fundação Joaquim Nabuco ofereça bolsas de estudo e pesquisa; dispõe sobre o apoio da União às redes públicas de educação básica na aquisição de veículos para o transporte escolar;

e permite que os entes federados usem o registro de preços para a aquisição de bens e contratação de serviços em ações e projetos educacionais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 6 jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Documento Referência para a Bolsa-Formação Trabalhador no âmbito do Pronatec. Brasília, 2012. Disponível em: Acesso em: 11 out. 2014.

BRASIL, Ministério da Educação. Ministério do Desenvolvimento Social e

Combate à Fome. Pronatec Brasil sem miséria mulheres mil. Brasília, 2014a.

Disponível em:

mulheres_mil,P202014.pdf.pagespeed.ce.syzUCbLNs3.pdf>. Acesso em: 21 jan.2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e

Tecnológica. Relatório de Gestão do Exercício de 2013. Brasília, 2014b. Disponível em

(4).pdf>. Acesso em: 13 jan. 2015.

CASTRO, A. T. B. O novo desenvolvimentismo e a nova face das políticas compensatórias. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 17, n. 2, p. 362-366, jul./dez. 2013. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2013/

JornadaEixo2013/anaiseixo4desigualdadessociaisepoliticaspublicas/onovodesenvolvimentismoeanovafacedaspoliticascompensatorias.pdf>. Acesso em: 30 nov. 2014.

COIMBRA, C.; NASCIMENTO, M. L. Programas compensatórios: seduções capitalistas? Niterói: UFF/ICHF, 2005. Disponível em: http://www.slab.uff.br/images/Aqruivos/textos_sti/Cec%C3%ADlia%20Coimbra/texto27.pdf>. Acesso em:8 jan. 2015.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU, 2003.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica: curso no Collège de France (1978-

. São Paulo: M. Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população: curso no Collège de France (1977- 1978). São Paulo: M. Fontes, 2008b.

FOUCAULT. Ditos e escritos IV: Estratégia, poder-saber. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

HILLESHEIM, B.; CRUZ, L. R. Risco, vulnerabilidade e infância: algumas aproximações. Psicologia & Sociedade, v. 20, n. 2, p. 192-199, 2008. Disponível em:. Acesso em: 15 mar. 2015.

LOPES, M. C. Políticas de inclusão e governamentalidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 32, n. 2, p. 153-169, maio/ago., 2009. Disponível em: . Acesso em: 6 fev. 2015.

LOPES, M. C.; RECH, T. L. Inclusão, biopolítica e educação. Educação, v. 36,

n. 2, p. 210-219, maio/ago. 2013. Disponível em . Acesso em: 6 fev. 2015.

PELBART, P. P. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

RIBEIRO, J. Pronatec diante da inclusão excludente e da privatização da

formação. Revista Textual, Porto Alegre, v. 2, n. 19, p. 16-21, maio 2014.

Disponível em: . Acesso em: 1 nov. 2014.

SCHEINVAR, E. A produção da condição de risco como estratégia das políticas de proteção social. In: FREIRE, S. M. (Org.). Direitos humanos: violência e pobreza na América Latina contemporânea. Rio de Janeiro: Letras e Imagem, 2007.

VEIGA-NETO, A.; LOPES, M. C. Inclusão e governamentalidade. Educação e

Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, ed. Especial, p. 947-963, out. 2007. Disponível em:

sci_arttext>. Acesso em: 5 fev. 2015.

VEIGA-NETO, A.; LOPES, M. C. Inclusão, exclusão, in/exclusão. Verve, v. 20, p. 121-135, 2011. Disponível em:. Acesso em: 6 fev. 2015.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.16.047.AO02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat