Formação continuada de professores: da parceria entre universidade e escola ao protagonismo e reconhecimento do trabalho docente

Mari Margarete dos Santos Forster, Tatiane Costa Leite

Resumo


A Universidade e a Escola têm ensaiado algumas experiências em parceria, na direção de uma formação docente mais qualificada. O grupo de pesquisa “Formação de professores e práticas pedagógicas” vem experimentando isso desde 2001, por meio de vários projetos investigativos. O objeto de estudo é a formação inicial e continuada de professores, refletindo sobre os saberes produzidos na prática do ofício desses profissionais. As investigações têm cunho etnográfico, são qualitativas, com destaque à pesquisa-ação crítico-colaborativa; utilizam-se de grupos de discussão, registros de experiências, análises documentais, observações e entrevistas. Achados da pesquisa: a universidade e a escola são espaços ricos de contradições; os sujeitos que nelas habitam têm o que dizer, produzem saberes que precisam ser registrados, valorizados, publicizados; a forma como as instituições funcionam podem ser facilitadoras ou dificultadoras de aprendizagem e desenvolvimento profissional; os profissionais se formam em seu espaço de trabalho e o modificam; o diálogo e a reflexão apresentam-se como primordiais na conquista de espaçosde aprendizagem; espaços de reflexão e problematização compartilhados facilitam o processo de desenvolvimento profissional, são formativos e podem resultar em aprendizagem para a profissão; o trabalho pedagógico continuado e a identificação dos benefícios desse para as aulas e os alunos favorecem a aprendizagem e o desenvolvimento profissional; a acolhida positiva e propositiva da equipe diretiva ao trabalho do professor, ouvindo-o e valorizando-o, favorece o desenvolvimento de aprendizagens profissionais; as mudanças de representações e de discursos dos professores podem ser acompanhados por mudanças nas práticas docentes, e a parceria Universidade/Escola/Universidade pode ser potencializadora de ações docentes mais qualificadas.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, J. G. (Org.). Autoridade e autonomia na escola. São Paulo: Summus, 1999.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Plano, 2002. (Série Pesquisa em Educação, v. 3).

BARROSO, J. Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: Ed. da Unesp, 2004.

BARROSO, J.; CANÁRIO, R. Centros de formação das associações de escolas: das expectativas às realidades. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1999.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2005.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa; Rio de Janeiro: Difel; Bertrand Brasil, 1989.

BRANDÃO, C. R. Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1982.

CABRERA, F. A. Evaluación de la formación. Madrid: Síntesis, 2000.

CANÁRIO, R. O professor entre a reforma e a inovação. Acervo Digital Unesp. 1999. Disponível em . Acesso em: 17 nov. 2014.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría crítica de la enseñanza. Barcelona: Martínez, 1988.

CUNHA, M. I. Pedagogia universitária: energias emancipatórias em tempos neoliberais. São Paulo: Junqueira & Marin, 2006.

DEWEY, J. Como pensamos. 3 ed. São Paulo: Nacional, 1959.

ESTRELA, M. T. Relação pedagógica, disciplina e indisciplina na aula. Porto: Porto Ed., 1994.

FIORENTINI, D.; GERALDI, C. G.; PEREIRA, E. M. (Org.). Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

FRANCO, M. A. S. Apresentação da sessão Em Foco: a pesquisa-ação e a prática docente. Educação e Pesquisa: Revista da Faculdade de Educação da USP, v. 31, n. 3, p. 439-443, dez. 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Ed. da Unesp, 2000.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia, o cotidiano do professor. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

GARRIDO, E., PIMENTA, S. G.; MOURA, M. O. A pesquisa colaborativa na escola como abordagem facilitadora para o desenvolvimento da profissão do professor. In: MARIN, A. J. Educação continuada. Campinas: Papirus, 2000.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. p. 129-149.

GIROUX, H. Freire e a política de pós-colonialismo. In: MCLAREN, P.; LEONARD, P.; GADOTTI, M. Freire: poder, desejo e memórias de libertação. Porto Alegre: ArtMed, 1999.

GHIGGI, G. A disciplina e o processo pedagógico: considerações a partir da proposta de Anton S. Makarenko. Cadernos de educação, Pelotas, n. 1, p. 27-30, nov. 1992.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

KINCHELOE, J. A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, 2002.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério.

Educação e sociedade, Campinas, v. 21, n. 73, p. 209-244, dez. 2000.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência.como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

UNDA, M. P.; CHAPARRO, C. I.; ESPINOZA, H. F. Red de cualificación de educadores.en ejercício. In: ARIAS, M. D.; FLORES, A.; PORLÁN, R. (Org.). Redes de

maestros: una alternativa para la transformación escolar. Sevilla: Díada, 2001. p. 115-137.

ZEICHNER, K. El maestro como profesional reflexivo. Cuardenos de Pedagogia, Lisboa, n. 220, p. 44-49, 1993.

ZEICHNER, K. Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador- -acadêmico. In: GERALDI, C. M. G; FIORENTINI, D., PEREIRA, E. M. A. (Org.). Cartografia do trabalho docente. Campinas: Mercado das Letras, 1998.




DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.043.AO02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat